Guerras das Bananas

Mestrado em História (UFJF, 2013)
Graduação em História (UFJF, 2010)

Sempre abrir.

As Guerras das Bananas foram uma série de intervenções dos Estados Unidos em países da América Central e no Caribe.

No final do século XIX, intensificava-se uma nova fase do colonialismo chamada de imperialismo. Neste período, os países industrializados disputavam zonas de influência, fontes de matéria-prima e mercados consumidores entre os países menos desenvolvidos do mundo. Os Estados Unidos e alguns países europeus participaram de uma verdadeira corrida por esses territórios na África e na Ásia.

A América Latina recebeu um interesse todo especial dos Estados Unidos. Como parte de uma política de suposta proteção do continente, os estadunidenses invadiram diversos países e conquistaram praticamente todo a América como zonas de influência.

As Guerras das Bananas foram justamente as intervenções dos estadunidenses como ação integrante desse processo de expansão imperialista. O termo “Guerra das Bananas” foi cunhado para destacar o interesse comercial dos Estados Unidos na América Central e no Caribe, houve uma participação financeira mais significativa da empresa United Fruit Company, que investia na produção de vários produtos do caribe, dentre os quais estava a banana, o tabaco e cana-de-açúcar, por exemplo. O impulso inicial era a questão econômica, mas não demorou muito para se revelar também o interesse político dos Estados Unidos na região. A expansão desse interesse permitiu a manutenção de uma esfera de influência e o controle do Canal do Panamá, ponto de grande relevância para o comércio global e o poder naval.

As intervenções estadunidenses, marcadas muitas vezes por ações militares na América Latina, começaram em 1898 com a Guerra Hispano-Americana. Seqüentes ocupações ocorreram ao longo de anos e só foram se encerrar com a Política da Boa Vizinhança, em 1934.

O Panamá foi ocupado pelos Estados Unidos em diversas ocasiões. Mas o principal interesse no país era por sua posição estratégica no continente americano, oferecendo um canal de suma importância para o comércio mundial. De olho na situação, os estadunidenses mantiveram-se presentes até conseguir o controle do Canal do Panamá.

Cuba foi entregue aos Estados Unidos com a derrota dos espanhóis na Guerra Hispano-Americana. Os estadunidenses nomearam uma autoridade para exercer o governo de Cuba a partir de 1899, mas não anexaram o território por causa de restrições existentes na Emenda Teller. Em pouco tempo, a economia cubana foi adaptada a dos Estados Unidos.

A intervenção dos Estados Unidos na Nicarágua foi marcada por muitos conflitos políticos. Os estadunidenses apoiaram as forças de rebelião contra o então presidente nicaragüense José Santos Zelaya por causa do interesse existente no potencial que a região oferecia através do Canal da Nicarágua. Zelaya também regulava o acesso dos estrangeiros aos recursos naturais do país, o que desagradava muito os Estados Unidos no contexto vivido, gerando intervenções e apoio para derrubada do governante.

Em Honduras ocorreu o caso onde a banana esteve efetivamente ligada aos processos de intervenção. O país havia iniciado o fornecimento do produto para os Estados Unidos, mas a situação com Zelaya na Nicarágua causou instabilidade na região. O comércio da banana entre os dois países se tornou mais complexo e desencadeou uma série de disputas, insurreições e revoluções.

A República Dominicana foi ocupada pelos Estados Unidos em 1916. Ainda no século XIX o presidente dominicano Ulisses Heureaux desenvolvia uma política com base na estabilidade da economia conquistada através de grandes empréstimos em bancos estadunidenses e europeus. Quando essa política ruiu, o país entrou em crise e houve muita disputa por poder. O grupo que estava no poder em 1916 possuía afinidades com os Estados Unidos e simularam um golpe de Estado como pretexto para invasão dos estadunidenses, que no mesmo ano iniciaram um governo militar no país.

O México também sofreu várias intervenções dos Estados Unidos. O país passou por momentos de grande instabilidade ligada a fatores como, por exemplo, a Revolução Mexicana. O relacionamento com os estadunidenses já não era muito amistoso e a primeira intervenção ocorreu quando os Estados Unidos decidiram não apoiar o governo de Victoriano Huerta.

O Haiti foi o último país a ser liberado da intervenção dos Estados Unidos. O processo de ocupação começou em 1911 quando uma revolução jogou o país em uma situação de muita desordem e dívida. Muitas disputas políticas se desenvolveram e a ocupação só acabou com a retirada das tropas estadunidenses em 1934 por causa da Política da Boa Vizinhança desenvolvida pelo presidente Franklin Roossevelt.

Fontes:
LANGLEY, Lester D. The Banana Wars.

Arquivado em: História