Imigração portuguesa no Brasil

Graduada em História (UFF, 2017)
Mestre em Sociologia e Antropologia (UFRJ, 2012)
Graduada em Ciências Sociais (UERJ, 2009)

A partir de diversos estudos sobre a imigração de portugueses no Brasil, é possível a estimativa do quantitativo da entrada de imigrantes portugueses a partir do século XIX. Porém foi a partir do século XVIII que apareceram os registros de fluxos migratórios portugueses, se intensificando a partir do século XIX, conforme demonstra a tabela abaixo.

Período América
Portuguesa
Império
Colonial
Média anual
América Portuguesa
Média anual
Império Colonial
1500-1580 100.000* 280.000 500 3.500
1581-1640 100.000* 300.000 500 5.000
1641-1700 100.000* 120.000 500 2.000
1701-1760 600.000 10.000
1808-1817 24.000 2.666
1827-1829 2.004 668
1837-1841 629 125
1856-1857 16.108 8.054
1881-1900 316.204 15.810
1901-1930 754.147 25.138
1931-1950 148.699 7.434
1951-1960 235.635 23.563
1961-1967 54.767 7.823
1981-1991 4.605 406

Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Brasil: 500 anos de povoamento. Rio de Janeiro: 2000.

Podemos classificar a imigração portuguesa em 4 momentos distintos:

1500-1700 - Imigração restrita

A chegada de migrantes portugueses no Brasil foi praticamente inexpressiva no período entre o final do século XV e o século XVI. Em nível de comparação, enquanto 700 mil emigrantes se dirigiram para as possessões de Portugal na África e na Ásia, apenas 100 mil tinham como rumo às terras portuguesas na América. Inicialmente os portugueses que vinham para o Brasil eram membros de uma elite próspera interessada principalmente em investimentos que gerassem lucros a partir da produção açucareira. Houve também a migração forçada incentivada por Portugal, o degredo, que tinha como objetivo povoar o território, além da chegada de cristãos-novos e ciganos que viam no Brasil a oportunidade de fugir das perseguições religiosas.

1760-1791 e 1837-1841 - Imigração de transição

Enquanto no primeiro período ocorreu a chegada de membros da elite, nessa segunda fase há a vinda de indivíduos pobres que não tinham trabalho em sua região de origem, a atual região do Minho. Porém, permanece a entrada de portugueses pertencentes as camadas médias e altas da sociedade portuguesa. Destaca-se o período ocorrido entre os anos de 1808 e 1817 quando mais de 10000 portugueses que chegaram ao Brasil se distinguiam do restante da população pelo dinheiro e nível educacional, muitos deles pertencentes à corte de D. João que desembarcou fugindo da ameaça de invasão francesa a Portugal.

1851-1930 - Imigração de massa

Em meados do século XIX uma série de mudanças ocorridas em Portugal provou uma alteração no perfil do imigrante português. Dentre elas podemos destacar um aumento da taxa de crescimento da população portuguesa; excedente de mão-de-obra no campo devido a mecanização agrícola e o empobrecimento dos pequenos proprietários rurais. Os portugueses que aqui chegavam eram, portanto, de origem pobre. Destaca-se a grande quantidade de mulheres e crianças órfãs, abandonadas e pobres.

1960-1991 - Imigração de declínio

Durante a década de 1930 fatores como desenvolvimento industrial português, envelhecimento da população, política no Brasil de proteção ao mercado de trabalho nacional e suspensão de viagens atlânticas durante a Segunda Guerra Mundial, explicam a redução do fluxo migratório português. Porém no final da década de 1960 e início da de 1970, os movimentos migratórios lusitanos dão uma retomada principalmente pelos conflitos na política interna portuguesa e o momento de “milagre econômico” vivenciado no Brasil.

Bibliografia:

https://brasil500anos.ibge.gov.br/territorio-brasileiro-e-povoamento/portugueses.html

Arquivado em: História do Brasil