Manuelzão e Miguilim

Manuelzão e Miguilim é composto por duas novelas “Campo Geral” e “Uma estória de Amor”, um narrada por Miguilim, um menino que mora com sua família na mata do Mutum em Minas Gerais, e outra narrada por Manuelzão, um vaqueiro que administra uma fazenda e nela constrói uma capela a pedido de sua falecida mãe. As duas histórias se completam mostrando a infância e a velhice dos personagens, girando sempre em torno de suas descobertas e recordações.

O texto é escrito em terceira pessoa, a partir das vivências do universo infantil de Miguilim, e do universo maduro e vivido de Manuelzão, um homem de mais de sessenta anos, revelando suas alegrias e tristezas, suas reflexões, sua visão de mundo. As duas histórias acabam se complementando, como um começo e um fim de vida.

Campo Geral

É uma narrativa lírica que recria o mundo a partir da visão de uma criança. A infância é seu assunto principal, mostrada por Guimarães Rosa com emoção e sensibilidade. A novela ficou conhecida pelo nome de MIGUILIM, por ser uma espécie de biografia do mesmo, narrada somente sob seu ângulo de visão, porém aos moldes de um narrador onisciente.

Miguilim é uma criança inteligente e sensível e é sob a visão observadora deste menino que as personagens vão sendo apresentadas no texto, são elas: a mãe, os irmãos, o padrasto, o tio Terêz, a avó ranzinza, o pai que se suicidara, entre outros.

O tempo da narrativa é predominantemente psicológico, sem preocupação com as datas, e portanto, dando maior ênfase ao espaço e às pessoas (personagens). Tem como temas o amor, a fé, a amizade, a violência e como já dito, a infância. Com a morte do irmão e companheiro de brincadeiras, Dito, Miguilim é forçado a amadurecer, tornar-se independente.

Os demais acontecimentos da história giram todos em torno de sua convivência com outros personagens, como família e amigos, e de suas observações a respeito do mundo e das pessoas que o rodeiam.

Uma Estória de Amor

Mais conhecida como Manuelzão, a novela “Uma estória de amor” fala, de uma maneira igualmente lírica, da outra extremidade da vida, a velhice, reconstituindo a vida do vaqueiro Manuelzão, e relatando a consagração da capela que ele constrói na fazenda que administra.

A narrativa se desenvolve na véspera de uma boiada, relembrando sua vida e misturando suas recordações com os fatos do presente. A história se passa na fazenda Samara, entre o Rio e a Serra dos Gerais, contanto a respeito de uma festa que reuniu o povo e um padre para fazer a consagração da capela que havia sido construída na fazenda.

O discurso é indireto livre e o narrador fala pela boca de Manuelzão, mostrando sua visão pessoal a respeito dos acontecimentos. Tudo gira em torno desta personagem, que fala a respeito daquilo que teve maior significado durante sua vida: sua mãe, que havida pedido para ele construir a capela, seus cavalo, sua fazenda e sua vida selvagem no sertão.

Durante os preparativos da boiada, ele vai reconstituindo os fatos de sua vida, e a respeito deles fazendo suas reflexões.

Fontes:
http://veredasdalingua.blogspot.com.br/2011/07/texto-manuelzao-e-miguilim-guimaraes.html
http://www.vestibular1.com.br/menu/manuelzao_miguilim.htm
http://www.mundovestibular.com.br/articles/36/1/MANUELZAO-E-MIGUILIM---Guimaraes-Rosa--Resumo/Paacutegina1.html
http://www.enemvirtual.com.br/resumo-manuelzao-e-miguilim-joao-guimaraes-rosa/
http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/c/campo_geral
http://vestibular.uol.com.br/resumos-de-livros/manuelzao-e-miguilim.htm

Arquivado em: Livros