O Bom Crioulo

A importância da obra o Bom Crioulo, publicada em 1895, de autoria de Adolfo Caminha, está em sua temática. De acordo com críticos literários, este foi o primeiro romance envolvendo a homossexualidade lançado em toda a história da literatura produzida no Ocidente.

bom criouloComo toda obra que quebra com os paradigmas de sua época, o Bom Crioulo foi recebido por público e crítica de forma silenciosa. Isso ocorreu devido à presença de temas ousados como a homossexualidade entre militares e sexo entre pessoas de diferentes etnias, temas que eram tabu ao final do século 19.

Na história de o Bom Crioulo, o protagonista é Amaro, um escravo que tem o objetivo de guiar seu destino após conseguir fugir de seu Senhor. Torna-se marinheiro e, desta forma, consegue ser livre. É descrito por Adolfo Caminha como um homem de imponência muscular, mais forte do que os outros marinheiros, benevolente e voluntarioso. Por esses adjetivos, é chamado de "Bom Crioulo".

Por ter passado por explorações nas fazendas em que trabalhou, o ex-escravo consegue adaptar-se facilmente à disciplina exigida pela Marinha de Guerra. Porém, o Bom Crioulo acaba se apaixonando por Aleixo, um louro de olhos claros que era um jovem marinheiro iniciante na armada. Isso muda completamente o relacionamento de Amaro com seus superiores, o marujo começa a beber, brigar e defender o homem que ama, recebendo castigos pela má conduta. Aleixo, por sua vez, não parece amar Amaro em reciprocidade, demonstrando apenas um sentimento de gratidão.

Após chegarem ao Rio de Janeiro, Amaro consegue um quarto para dividir com Aleixo em uma pensão coordenada por uma ex-prostituta, D. Carolina, que tinha sido salva de um assalto devido à intervenção do Bom Crioulo. Os dois passam a viver de forma matrimonial, mas devido à rigidez do capitão da embarcação de Amaro, que lhe permite apenas uma folga ao mês, os amantes acabam vendo-se muito pouco e se afastam. Neste momento, o jovem Aleixo se deixa seduzir por D. Carolina, apaixonando-se por ela.

Após o afastamento de Aleixo, Amaro começa a se embriagar em demasia, torna-se desequilibrado e arruma confusões a todo momento. Por isso, acaba sendo enviado para um hospital-prisão, onde fica abandonado e desesperado. Acaba sabendo da história entre seu ex-amante e D. Carolina e, assim, foge da prisão para encontrá-lo. Ao ver Aleixo nas cercanias da pensão, Amaro assassina-o com um golpe de navalha no peito.

Fontes:
CAMINHA, Adolfo. Bom-Crioulo. Série Bom Livro- Editora Ática, São Paulo, 1983.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Bom_Crioulo
http://www.literaturaemfoco.com/?p=1983

Arquivado em: Livros