Teogonia de Hesíodo

Contemporâneo de Homero, Hesíodo foi um grande poeta grego que viveu no século 8 a.C. Sua obra mais conhecida é a Teogonia, que nos conta como o mundo surgiu a partir dos primeiros deuses, seus amores e suas lutas. Teogonia significa "o nascimento dos deuses". Ela constituía, com os poemas de Homero, a cartilha na qual os gregos aprendiam a ler, a pensar, a entender o mundo e a reverenciar o poder dos deuses. De certa forma, a Teogonia é o mais antigo tratado de mitologia grega que chegou até nós.

Hesíodo descreve a criação do mundo e a seguir relaciona, cronologicamente, cada uma das gerações divinas.

Após um hino às Musas, Hesíodo relata como as deusas inspiraram seu canto ao cuidar de ovelhas perto do Monte Hélicon. As musas então deram a ele um conhecimento sobrenatural capaz de conhecer as coisas presentes, passadas e futuras e ensinaram-no a cantar, para que ele cantando celebrasse os deuses imortais, as façanhas dos homens antigos e também a elas próprias no começo e no fim das canções.

Segue-se, daí, a narração a origem dos primeiros deuses, que personificavam os elementos primordiais do Universo: Caos, o vazio primitivo; Gaia, a terra; Eros, a atração amorosa.

Os descendentes imediatos são também relacionados: Hemêra, o dia; Nix, a noite; Urano, o céu; Ponto, a água primordial.

Há três grandes linhagens divinas: a descendência do Caos, a do Mar e a do Céu. Do Caos provêm todos os males que atormentam a vida humana; os mais importantes deles são os terríveis filhos da deusa Noite. Na família do deus Mar há monstros de estranhas formas, que habitam as águas marinhas e as regiões subterrâneas. Na família do Céu há a sucessão dos reis divinos Cronos e Zeus.

Depois, o poeta descreve como Cronos assumiu o poder e inadvertidamente deu origem a Afrodite, deusa do amor sensual; relaciona os descendentes de Nix, entre eles Tânato, a morte, Hipno, o sono, e Morfeu, o sonho.

Os descendentes de Ponto, entre eles Nereu, o mais antigo deus do mar e pai das nereidas e Fórcis, progenitor de monstros como as Górgonas, Equidna, com tronco de mulher e cauda de serpente, e a Esfinge.

Os descendentes de Oceanos, entre eles os rios e fontes, as ninfas da terra firme, os ventos, Métis, a sabedoria, e Hélio, o sol; os descendentes de Ceos, especialmente Hécate, a dádiva.

Uma profecia da Terra e do Céu avisara de que era destino de Cronos ser destronado por um filho e ele engolindo-os prevenia-se.

Quando Réia, sua esposa, devia dar à luz Zeus, ela suplicou a seus pais, Terra e Céu, que lhe aconselhassem um refúgio para que ela pudesse salvar esse filho. Eles atenderam ao seu pedido e, encoberta pela noite, Réia escondeu seu filho em uma gruta em Creta, confiando-o à deusa Terra, para que ela o nutrisse e criasse. Seguindo as instruções de seus pais, Réia envolveu uma grande pedra em um pano e entregou-a a Cronos. O deus, implacável, engoliu-a, sem desconfiar de nada.

Zeus cresceu rapidamente, libertou das prisões subterrâneas os seus tios paternos Ciclopes e Centímanos, e aliando-se a eles travou contra seu pai Cronos a luta pelo poder. Vencido, o velho deus Cronos vomitou primeiro a pedra por último engolida. Zeus a cravou em Delfos, para que os homens mortais aí a admirassem.

Após a vitória sobre seus inimigos, Zeus é aclamado por seus aliados rei dos deuses e dos homens. Assim fez a partilha dos bens e fixou os privilégios de cada deus. É a terceira fase do mundo, a atual e a mais perfeita de todas.  Com uma série de casamentos, que eram verdadeiras alianças políticas, Zeus organizou o seu reinado e tornou o seu poder inabalável.

A primeira tradução completa da Teogonia para o português é a de JAA Torrano (1981), recentemente reeditada (Iluminuras, 1991). Mais recentemente ainda, o texto foi traduzido por Pinheiro e Ferreira (2005).

Fonte:
JAA Torrano. O sentido de Zeus. O Mito do mundo e o modo mítico de ser no mundo.
A.E. Pinheiro & J.R. Ferreira, Hesíodo. Teogonia / Trabalhos e Dias, Lisboa, Imprensa Nacional, 2005.

Arquivado em: Mitologia Grega