Deuses romanos

Mestre em História (PUC-SP, 2016)
Graduada em História (PUC-SP, 2010)

Publicado em 26/06/2019

A formação da cultura ocidental foi intensamente influenciada pela mitologia greco-romana, formada pela união de relatos – os mitos – transmitidos e preservados por séculos. Os povos da Antiguidade utilizavam os mitos para explicar diversas questões, como a origem do mundo e das pessoas e os fenômenos naturais.

A mitologia dos povos antigos possui grande relação com sua religiosidade, e muito do que conhecemos hoje sobre as crenças e práticas religiosas de povos do passado chegou a nós por meio de narrativas mitológicas. Por isso, para melhor compreensão de suas crenças, é fundamental conhecer seus mitos.

Na Antiguidade, a mitologia grega foi assimilada pela mitologia romana. Por isso, em diversos aspectos culturais há uma grande proximidade entre Grécia e Roma. Em termos religiosos, por exemplo, os romanos incorporaram aspectos dos deuses gregos em suas divindades.

Júpiter, deus do trovão na mitologia romana. Equivalente à Zeus dos gregos. Foto: M-SUR / Shutterstock.com

Tanto para os gregos quanto para os romanos – ambos politeístas –, os deuses possuíam características humanas. Enquanto no mundo gregos as crenças estavam voltadas a Zeus, Atena, Ares, Afrodite, Hermes e muitas outras divindades, os romanos cultuavam figuras como:

  • Júpiter: rei dos deuses e dos seres humanos; o deus equivalente a Zeus na cultura grega.
  • Juno: rainha dos deuses, esposa de Júpiter, protetora do casamento e das mulheres; na Grécia, sua equivalente é Hera.
  • Baco: deus do vinho, das festas, do prazer, da inspiração poética; representado por Dioniso para os gregos.
  • Diana: deusa da caça, dos animais selvagens e da lua, representada carregando flechas consigo; na Grécia, era Ártemis.
  • Febo: deus da música e do Sol; considerado o mais belo deus para os romanos, assim como Apolo para os gregos.
  • Marte: filho de Júpiter e Juno, deus da guerra (Ares, na Grécia); suas representações o mostram carregando um escudo e uma flecha.
  • Mercúrio: deus do comércio e mensageiro dos deuses, protetor dos comerciantes e viajantes, tal como Hermes na Grécia.
  • Minerva: deusa da sabedoria, das artes e das estratégias de guerra; assimilada à divindade grega Atena.
  • Netuno: deus dos mares, oceanos e terremotos; representado com um tridente, assim como o deus grego Poseidon.
  • Vulcano: deus do fogo, protetor das atividades com o metal; filho de Júpiter e Juno; associado à divindade grega Hefesto.

Netuno, deus dos mares na mitologia romana. Foto: Giuseppe Cammino / Shutterstock.com

Porém, é importante lembrar que, embora a mitologia grega tenha exercido grande influência sobre a mitologia romana, os romanos também incorporaram, em suas crenças e práticas, aspectos de outras culturas antigas, como a etrusca e a egípcia.

Os romanos, assim como os gregos, promoviam cerimônias religiosas frequentemente – antes mesmo da incorporação de elementos gregos na cultura romana.

Tanto na Grécia quanto em Roma ocorriam cultos privados, voltados à proteção da família e questões mais íntimas, e cultos públicos, oficiais, organizados pelo Estado e voltados a questões concernentes à toda a população, como o pedido por boas colheitas e proteção em guerras.

Uma das características mais marcantes da religiosidade romana surgiu no período imperial, durante o governo de Augusto (27 a.C.-14 d.C.). Trata-se do culto ao imperador, com a função de preservar a ordem e a unidade no Império. Assim, estabelecia-se uma ligação maior entre os povos das províncias e Roma.

Os imperadores eram cultuados ainda vivos e divinizados após sua morte, na cerimônia da apoteose, que o imortalizava e buscava preservar sua memória. Esses elementos nos mostram a intensa relação entre religião e política na cultura romana.

Referências:

ANDE, Edna, LEMOS, Sueli. Roma: Arte na Idade Antiga. São Paulo: Callis, 2011.

FUNARI, Pedro Paulo. Grécia e Roma. São Paulo: Contexto, 2002.

LEEMING, David. Do Olimpo a Camelot: um panorama da mitologia europeia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.

MACHADO, Carlos Augusto Ribeiro. Entre homem e Deus: o ritual da apoteose imperial na Roma Antiga. Mare Nostrum, n. 5, 2014. Disponível em: http://leir.fflch.usp.br/sites/leir.fflch.usp.br/files/upload/paginas/marenostrum-ano5-v5-art4.pdf. Acesso em: 10 abr. 2019.

Arquivado em: Mitologia Romana