New Wave

A New Wave foi um movimento musical que marcou principalmente os anos 80. Ela se referia a uma série de estilos musicais então emergentes - daí a confusão que até hoje muitos fazem, englobando tanto uma onda mais alegre, divertida e colorida, quanto um som mais triste, plangente, sombrio e meditativo, neste mesmo balaio.

Normalmente esta expressão está conectada às origens da música pop norte-americana, inglesa, canadense e australiana, em fins da década de 70 e princípio da de 80. Esta expansão foi desencadeada pelo boom do punk rock nova-iorquino, especialmente em torno do clube conhecido como CBGB - Country, Bluegrass, and Blues and Other Music For Uplifting Gormandizers -, situado em Manhattan.

Em relação ao punk, porém, a New Wave era considerada um estilo mais singelo e inocente, embora preservasse a falta de reverência de seu antecessor. A Nova Onda, tradução literal deste movimento, se caracterizava principalmente por abranger inúmeras expressões musicais, desde um som mais roqueiro, como os de Nick Lowe e do grupo XTC, até uma sonoridade mais eletrônica, como a de Gary Numan.

Pode-se pensar também no ritmo importado do Caribe, que marca a produção de Kid Creole and the Coconuts, ou na opção psicodélica de Television e do B-52’s, e ainda na fusão com o funk que definiu a obra do Talking Heads. Há especialistas que unem a sonoridade de Michael Jackson, Madonna, Cindy Lauper, Björk, Mick Jagger e Boy George para estabelecer uma visão mais precisa da New Wave, que também é compreendida como uma vertente do célebre Rock and Roll.

A New Wave surge quando o som das discotecas, predominante nos anos 70, dá sinais de esgotamento, ao mesmo tempo em que o punk aponta para sua decadência. Este novo movimento dá uma injeção de energia no estilo roqueiro. Além de agitar o cenário musical, esta nova onda também revitaliza a cena estética. O universo fashion é invadido pelo excesso de ombreiras, de tonalidades verde limão impressas em muita popeline; os cabelos são mergulhados em glitter gel. A alegria é a marca maior deste mix musical e estético.

Muitos críticos musicais consideram um certo parentesco entre a vertente mais divertida e alto astral da New Wave e a sonoridade mais melancólica de grupos como The Cure, Smiths, Cult e Devo, mas somente na caracterização visual, e por pertencerem a um mesmo período. Estas bandas, porém, estariam mais próximas de um movimento pós-punk, do qual a nova onda difere em vários aspectos, até mesmo por ter nascido um pouco antes desta ramificação do Rock and Roll.

No Brasil este movimento musical contribuiu para o fortalecimento do rock brasileiro, que não seria o que ele é hoje sem esta explosão dos anos 80 no cenário mundial. A emergência da New Wave ocorreu praticamente ao mesmo tempo em que o rock nacional nascia e dava seus primeiros passos. Houve neste país uma mistura de movimento punk, mobilização pelas Diretas Já, processo de redemocratização, fim da Ditadura Militar e a emergência de novos parâmetros culturais. Este mix fez o cenário musical brasileiro fervilhar, com a presença de bandas como Titãs, Ira!, Ultraje a Rigor, Kid Abelha e os Abóboras Selvagens, Paralamas do Sucesso, entre outras.

O uso desmedido de sintezadores e teclados já preparava o terreno para a emergência de novos estilos, como o new romantic, o britpop, a eurodance e o dance. Não demorou muito para que a New Wave cedesse espaço para uma nova invasão musical britânica, inspirada no movimento punk e na própria New Wave.

Fontes
http://pt.wikipedia.org/wiki/New_wave_(música)
http://www.speculum.art.br/module.php?a_id=883
http://pt.wikipedia.org/wiki/CBGB

Arquivado em: Música