Diagrama de Nolan

Ouça este artigo:

A criação do Diagrama de Nolan ocorreu no intuito de representar de forma esquemática as variações políticas e ideológicas dentro de uma sociedade. Em um primeiro momento, este diagrama foi idealizado pelo psicólogo Bob Altemeyer, que por sua vez fez uso das ideias do sociólogo Theodor W. Adorno. Em 1969, com base neste diagrama, o norte-americano libertário David Nolan realizou alterações e o tornou popular e conhecido como o Diagrama de Nolan.

O diagrama divide-se da seguinte forma: o vértice apresenta-se como uma base, da qual se alongam gradualmente vetores em L, para cima e para e direita. Por eles são indicados gradualmente os níveis de liberdades do indivíduo e da economia. Na base, próximo à raiz, encontra-se o grupo do populismo, indicando pessoas que prezam por medidas que representam os anseios da maior parte da população e a atuação reguladora do Estado na economia. Em alguns diagramas este grupo é alcunhado como totalitário. Nesta parcela estão tanto membros progressistas, como os conservadores e os centristas.

A partir deste grupo, seguindo gradualmente os vértices principais para cima e para a direita, surgem os indivíduos que formam os agrupamentos progressistas e conservadores, que estão em cada polo do diagrama e representam, respectivamente, indivíduos mais atrelados às questões individuais (gênero, religião, etnia) e questões referentes à liberdade da economia na regulação da sociedade (mão invisível do mercado).

No centro do diagrama encontram-se os centristas. Essa parcela recolhe tanto os progressistas como os populistas, os conservadores e os neoliberais. Acima deste centro encontram-se os neoliberais, ou seja, os que simplesmente acreditam na liberdade de mercado como forma de regular a sociedade e creem no Estado mínimo, desprezando conservadorismos ou identitarismos. Por incrível que possa parecer, esta parcela do diagrama apresenta membros da direita liberal, da esquerda liberal e do centro.

Este diagrama pode ser analisado de diversas maneiras, dependendo do momento histórico pelo qual a sociedade está inserida. No caso de um regime no qual o Estado seja a força motora das decisões, o grupo de maior poder localiza-se na base populista, na qual se encontram progressistas e conservadores que colocam os principais anseios da população acima de ideologias. Esta movimentação ocorre quando um país, no intuito de desenvolver-se e conquistar sua soberania, tem a sua população unida no sentido de um desenvolvimento econômico generalizado.

O poder do grupo de cima pode ser representado, por exemplo, pela Inglaterra da época de Margareth Thatcher. Naquele momento, independente de conservadorismos ou questões individuais, o neoliberalismo era o sistema mandatário e colocava o lucro como principal objetivo, prezando pela atuação mínima do Estado, desestabilizando direitos conquistados pelos trabalhadores, entre outros aspectos.

No que se refere aos grupos de progressistas e conservadores que pontuam o diagrama ao extremo da direita e da esquerda, pode-se observar o seu destaque a partir do século XXI. Ambos lutam respectivamente por causas como a liberdade de mercado e individuais, porém, parecem desatrelados aos interesses principais referentes à população e, assim, não representam grande poder político.

Apesar de bastante complicado, o Diagrama de Nolan recebeu desde sua criação diversas interpretações. Em um primeiro momento, teve sua publicação em um artigo na revista The Individualist, apresentado pelo título: "The Case for a Libertarian Political Party". Ao final de 1971, o texto deu forma ao início do grupo que depois se transformou no Partido Libertário dos Estados Unidos.

Embora bastante divulgado, o Diagrama de Nolan por diversas vezes recebe críticas de acadêmicos, principalmente nos âmbitos da Ciência Política e da Geopolítica. De acordo com estas vertentes, é impossível esquematizar o espectro político de quaisquer grupos devido à heterogeneidade e a capacidade de criação de novas ideologias ao longo do tempo. Desta forma, este diagrama seria uma tentativa frustrada de explicar as vertentes ideológicas.

Fontes:

https://www.huffpost.com/entry/find-yourself-on-the-nolan-chart_b_4152470

https://www.definitions.net/definition/nolan+chart

https://tede2.pucrs.br/tede2/bitstream/tede/6294/2/474518%20-%20Texto%20Completo.pdf

http://pt.dbpedia.org/resource/Diagrama_de_Nolan

Arquivado em: Política