Establishment

Ouça este artigo:

O termo establishment refere-se ao conjunto de forças presentes que possuem larga influência decisória dentro de uma sociedade. Estes grupos podem ser organizações, políticos, pessoas com poder aquisitivo muito alto, grupos midiáticos, religiosos e instituições não governamentais. Desta forma, relacionam-se no intuito de que seus objetivos possam ser colocados de maneira prioritária, acima das necessidades dos grupos de menor poderio, ou seja, os que não formam o establishment.

Por exemplo, nos Estados Unidos o establishment é formado pelas grandes corporações transnacionais, políticos, órgãos de inteligência do governo, financistas internacionais e as forças armadas. Com isso, quaisquer assuntos que precisem ser decididos a respeito dos rumos da nação passam pelo crivo destes grupos, que se complementam e colaboram uns com os outros para atingir seus objetivos. Eles funcionam de maneira a controlar a sociedade em que estão inseridos, ditam as regras econômicas, sociais, políticas e também têm a função de repelir o que possa colocar em risco seu poder, muitas vezes fazendo o uso da manipulação midiática e da violência para impedir a contravenção.

Os representantes do establishment podem ser apontados ao longo da história, e uma de suas características é a de se manter no poder ao longo das gerações por meio de herdeiros e pessoas de confiança. Antigas famílias ligadas ao segmento do petróleo – principal matriz energética mundial – comandam os interesses da economia global desde o século XIX. Fora isso, elas agem de maneira a infiltrar profissionais em todas as áreas cruciais para conseguirem estar sempre na vanguarda dos acontecimentos da chamada realpolitik: política internacional ou diplomática com base em questões pragmáticas focadas na prática ao invés da ética e da ideologia.

Com a globalização, as forças formadoras do establishment demonstraram-se aptas a estender seus campos de influência além de suas fronteiras. Se no século XIX estes grupos concentravam-se em espaços delimitados, após as revoluções no campo do transporte e da tecnologia de telecomunicações advindas do século XX, sua atuação ampliou-se na direção de outros países em que iniciaram um processo de dominação por meio da economia. Isso pode ser observado nas relações entre as nações do Ocidente e do Oriente, que a partir da terceira década do século XXI entraram em competição acirrada. Nações presentes no Ocidente, mas que não se alinham com o establishment das nações mandatárias desta parte do globo, geralmente sofrem embargos e punições no sentido de serem enfraquecidas devido à discordância.

O establishment não configura uma forma de atuar simples dentro do funcionamento do corpo social. Suas estratégias são multifacetadas e abrangem vários setores. Por muitas vezes os formadores destes grupos de influência utilizam-se de ferramentas como organizações não governamentais (ONGs), religiosas ou de questões identitárias para atingir seus interesses de maneira camuflada. O establishment normalmente converge em qualquer tipo de movimento, alterando-o internamente no sentido de apoderar-se de questões relevantes para a sociedade e banalizá-las, ou seja, torná-las condizentes com os seus interesses econômicos. Por exemplo, se um grupo ou movimento luta por uma causa popular, membros do establishment infiltram-se entre seus líderes ou os subornam para desestabilizar questões que apontam as contradições estabelecidas.

Na primeira metade do século XX, havia o establishment oriental com a União das Repúblicas Soviéticas e a predominância do modus operandi estadunidense na fatia ocidental. Embora se utilizassem de ferramentas diferentes, as duas nações expandiam sua influência na direção de outros países. Naquele período, sob a influência dos EUA, o Chile e o Brasil tornaram-se nações em que foram aplicadas políticas neoliberais dependentes da finança internacional e, ao mesmo tempo, foi criada, na Europa, a Alemanha Oriental, apresentando administração com diretrizes fortemente ligadas à URSS.

Outro significado para establishment é estabelecimento. De acordo com o Cambridge Dictionary, a palavra pode ser o “estabelecimento de um local específico de negócios” como estabelecimentos comerciais, entre outros.

Fontes:

SANTOS, Boaventura de Souza. A Globalização e as Ciências Sociais. 2a edição. São Paulo: Cortez, 2002.

www.kuwi.uni-linz.ac.at/Hyperelias/z-elias/abstracts/abstract1-por-2000-T-por-1.htm

https://iela.ufsc.br/noticia/o-futuro-da-democracia-ocidental-esta-em-jogo-no-brasil

https://www.politico.com/magazine/story/2016/01/what-is-the-establishment-now-213565

Arquivado em: Geografia, Política