Uso dos "porquês"

Mestra em Letras e Linguística (UFG, 2016)
Licenciada em Letras-Português (UFG, 2009)

Existem quatro possibilidades de uso dos “porquês” na Língua Portuguesa. De maneira bem objetiva, poderíamos resumir:

Por que (separado e sem acento)

Usado no início ou no interior das frases quando se quer fazer perguntas diretas ou indiretas.

Exemplos:

Por que você não liga para ela?

Ele quer saber por que você deixou de visitá-lo.

Por quê (separado e com acento)

Usado no final da frase quando se quer fazer perguntas, questionamentos.

Exemplos:

Você não liga para ela por quê?

Você deixou de visitá-lo por quê?

Porque (junto e sem acento)

Usado para responder uma pergunta, questionamento.

Exemplos:

Não ligo para ela porque perdi minha agenda de contatos.

Deixei de visitá-lo porque agora moramos muito longe um do outro.

Porquê (junto e com acento)

Usado no sentido de “motivo”, “razão”. Geralmente, é antecedido um artigo “o, um”.

Exemplos:

Gostaria de saber o porquê de não ligar para ela.

Escreva-lhe um porquê que justifique sua ausência no trabalho.

Por que existem tantos tipos de porquês?

Agora que você já aprendeu sobre o uso dos porquês de maneira resumida, amplie ainda mais seus conhecimentos e compreenda os critérios semânticos e sintáticos que fazem a língua portuguesa admitir os diferentes usos dos porquês:

Por que (separado e sem acento)

Quando se quer fazer perguntas, este “por que” é a junção da Preposição “POR” com:

1. Um Pronome Interrogativo “QUE”: Seu efeito de sentido é equivalente a “por qual razão” ou “por qual motivo”.

Exemplos:

Por que ela não quer mais usar esta roupa? (pergunta direta)

Gostaria de saber por que ela não que mais usar esta roupa. (pergunta indireta)

Por qual motivo/por qual razão ela não que mais usar esta roupa?

2. Um Pronome Relativo “QUE”: Seu efeito de sentido é equivalente a “pelo qual”. Perceba que não é uma pergunta.

Exemplo:

O caminho por que passei é desafiador.

O caminho pelo qual passei é desafiador.

Por quê (separado e com acento)

Consiste na junção da Preposição POR com o Pronome Interrogativo QUÊ. Deve ser utilizado SOMENTE no final de uma frase, antecedendo os sinais de pontuação que a encerram. Seu efeito de sentido é semelhante a “por qual motivo”, “por qual razão”.

Exemplos:

Há dias você não vem trabalhar. Por quê?

Há dias você não vem trabalhar. Por qual motivo?

Você vai falta à aula de dança por quê?

Você vai faltar à aula de dança por qual razão?

Só quero saber por quê. (pergunta indireta)

Porque (junto e sem acento)

Trata-se de Conjunção Explicativa ou Causal utilizada para responder a qualquer pergunta, dúvida ou questionamento. Seu efeito de sentido é equivalente a “pois”, “uma vez que”.

Exemplos:

Não estou vindo trabalhar porque fiquei adoecido.

Vou faltar à aula de dança porque preciso estudar para a prova.

Então, saiba que isso é porque não quero gastar tanto dinheiro agora.

Porquê (junto e com acento)

Trata-se de um Substantivo, cujo efeito de sentido é semelhante ao das palavras “motivo”, “razão”. Este substantivo pode aparecer antecedido por um determinante, como Artigo, Pronome ou Numeral.

Exemplos:

Quero saber o porquê de tanto barulho.

Me diz um porquê apenas para que eu fique.

Arquivado em: Português