Camada de Dua

A Camada de Dua foi descoberta no ano de 2013 após a publicação de um artigo científico. É a quarta das seis camadas descobertas da córnea humana. Apresenta 15 micrômetros de espessura e se localiza entre a membrana de Descemet e o estroma da córnea. A despeito de ser uma camada delicada, é impermeável em relação ao ar e bastante resistente. Segundo estudos, tem a capacidade de suportar a pressão de 200 kPa (2 Bar).

Da parte exterior para a interior, a Camada de Dua é antecedida pela estroma da córnea, pela membrana de Bowman e pelo epitélio corneano. As estruturas que lhe sucedem são o endotélio corneano (camada interna) e a membrana de Descemet.

Harminder Dua, médico de origem hindu-britânica e pesquisador da Universidade de Nottingham foi o descobridor da Camada de Dua. No artigo sobre a novidade, são descritos aspectos importantes a respeito de suas implicações na medicina. Segundo a publicação, os resultados dos transplantes de córneas poderão ser aprimorados por cirurgiões. Isso ocorre pois, na realização da intervenção cirúrgica, pode ser aplicado o procedimento que leva o nome de "técnica da bolha grande", que consiste na injeção de bolhas de ar no estroma da córnea. Porém, pode ocorrer um dano ao olho do paciente caso a bolha arrebente. Ao injetar o ar sob a camada de Dua, sua resistência diminui o risco de deslocamento e amplia as chances de sucesso da cirurgia.

Outro ponto positivo a respeito da descoberta da camada de Dua se refere ao entendimento de doenças como distrofias e úlceras na córnea. Harminder Dua indica que existem diversas enfermidades afetando a camada mais profunda da córnea, que os profissionais de medicina do mundo inteiro começam a relacionar com o deslocamento, a ausência ou a presença da camada de Dua.

O deslocamento da camada de Dua pode causar a acumulação de fluído na córnea, fenômeno conhecido pelo nome de hidropsia da córnea, bastante comum em pessoas com ceratocone, que é uma deformidade cônica encontrada na córnea. Entre outros aspectos, a camada de Dua apresentou uma hipótese de que tal deslocamento teria a capacidade de permitir que a água passasse do interior do olho, acumulando fluído na córnea.

Fontes:
http://www.saudevisual.com.br/noticias/1013-camada-dua
http://olhardigital.uol.com.br/noticia/cientista-descobre-mais-uma-parte-do-corpo-humano/35261
http://sites.uai.com.br/app/noticia/saudeplena/noticias/2013/08/20/noticia_saudeplena,144362/membrana-tem-caracteristicas-que-podem-modificar-cirurgias-nos-olhos.shtml
http://www.verangola.net/Artigos/Saude/Descoberta-nova-camada-na-cornea-humana-por-investigador-britanico=001786]

Arquivado em: Visão