Arara

Graduação em Ciências Biológicas (UNIFESP, 2014)

As aves conhecidas como araras são aquelas de grande porte pertencentes à Família Psittacidae, Ordem Psittaciformes, dos gêneros Ara, Anodorhynchus, Cyanopsitta, Primolius, Orthopsittaca e Diopsittaca. No Brasil são encontradas representantes de todos os gêneros, sendo que a única espécie de Cyanopsitta, a Ararinha-azul (Cyanopsitta spixii), é endêmica da Caatinga brasileira e está atualmente classificada como extinta na natureza.

Arara azul e amarela. Foto: Filipe Frazão / Shutterstock.com

Arara azul e amarela. Foto: Filipe Frazão / Shutterstock.com

Possuem um bico grosso e curvo, que auxilia na alimentação composta principalmente de frutos e sementes, e uma língua grossa que geralmente é negra. Os pés têm quatro dedos, dois para frente e dois virados para trás que possibilitam a rápida escalada e movimentação nos troncos das árvores, já que não são boas voadoras. Além disso, os pés auxiliam na alimentação levando o alimento até a boca, característica exclusiva dos Psitacídeos. Por serem aves de médio a grande porte e muito coloridas, são facilmente identificadas na natureza. Além disso, vocalizam de forma estridente e conseguem imitar os sons de humanos e outros animais.

As araras geralmente habitam florestas situadas nas regiões tropicais. Em território nacional essas aves podem ser encontradas no Pantanal, na Floresta Amazônica e na região da Mata Atlântica. Costumam viver em bandos e são aves monogâmicas, formando casais para a vida toda. Nidificam em ocos já existentes em troncos de árvores, barrancos, entre outros. A fêmea coloca de 2 a 3 ovos por ano que serão incubados por um período que gira em torno de 35 dias. São animais de vida longa, podendo chegar aos 60 anos de idade.

Arara-azul. Foto: Erik (HASH) Hersman / via Wikimedia Commons / CC-BY 2.0)

Arara-azul. Foto: Erik (HASH) Hersman / via Wikimedia Commons / CC-BY 2.0)

Ao lado da Arara-azul (Anodorhynchus hyacinthinus) e da Arara-vermelha (Ara chloropterus), a Arara-canindé (Ara ararauna) é um representante bem característico do grupo. Possui ampla distribuição, sendo encontrada no Brasil desde a Amazônia até o Paraná. Habita também outros países da América, como Panamá, Colômbia, Venezuela, Guianas, Peru, Bolívia, Argentina, Paraguai e Equador. Mede cerca de 80 centímetros de comprimento e possui coloração azul no dorso e amarelo-dourado na parte inferior. A face é branca com áreas negras e os olhos geralmente são claros. Nidificam no período de dezembro a maio, geralmente em ocos no tronco de palmeiras mortas. A fêmea coloca de 2 a 3 ovos, que são incubados por 24 a 26 dias. Essa espécie costuma migrar  em busca de alimento em determinadas épocas do ano. A alimentação é composta principalmente de sementes, frutas e nozes.

Por serem aves muito bonitas e coloridas, as araras sempre foram muito procuradas como animal de estimação. O comércio ilegal desses animais que existe há décadas, junto com a degradação de seus habitats, colocou em risco de extinção muitas espécies. Atualmente porém as cativantes araras, principalmente a Arara-azul, têm sido utilizadas como espécies bandeiras, chamando atenção para causas ambientais que podem ser desde a conservação da própria espécie quanto a conservação de todo seu ecossistema.

 

Arquivado em: Aves