Rafael Sanzio

Por Ana Lucia Santana
O artista italiano Rafael Sanzio nasceu no dia 6 de abril de 1483, na cidade de Urbino, então epicentro do movimento cultural conhecido como Renascimento, filho de um pintor obscuro, Giovanni Santi. Seu pai, apesar disso, tinha ótimas relações na corte do duque Federico de Montefeltro, então célebre mecenas.

Rafael, considerado o príncipe dos pintores, elegeu especialmente a pintura e a arquitetura como meios de expressão. Ele se tornou famoso pela aura graciosa que cercava sua obra, e também por uma perfeição sem igual. Seu pai, morto em 1494, legou-lhe a devoção à pintura e o aprendizado inicial, pois ao completar seis anos seu genitor o introduziu como estudante no estúdio do famoso pintor italiano Pietro Perugino.

Com este artista o jovem apreendeu a técnica do afresco ou pintura mural. Em seu ateliê Rafael elaborou sua primeira obra significativa, O Casamento da Virgem, de 1504. Em 1501 ele concluiu sua primeira produção, um altar para a Igreja de San Nicola da Tolentino. Neste mesmo ano ele segue para Florença, centro artístico onde se desenvolveram as carreiras de Michelangelo e Leonardo Da Vinci. Este gênio das artes exerceria profunda influência sobre sua obra, que também teria a ascendência de Fra Bartolomeu.

Quatro anos depois o papa Júlio II o convida para trabalhar a seu serviço, especialmente na decoração dos aposentos do Vaticano, que se tornariam famosos como as stanze de Rafael. Aí ele permaneceu por 12 anos, encarregado de obras de vulto, que provaram o poder de sua rica e diversificada imaginação.

Escola de Atenas (1511) - uma das principais obras de Rafael.

Em 1515 ele é oficializado como arquiteto do Vaticano, passando a coordenar a sequência dos trabalhos na Basílica de São Pedro. Nesta mesma ocasião ele passou a comandar as investigações arqueológicas então realizadas em Roma. Com o falecimento de Júlio II, em 1513, ele tornou-se o artista dileto de seu sucessor, Leão X.

Neste período ele assumiu também a decoração das galerias do Vaticano, concluída depois por seus aprendizes, e realizou trabalhos diversos, como retratos, tapeçarias, cenografias e ornamentações sacras, altares, planos arquitetônicos direcionados para edificações não religiosas, e igrejas como a de Sant'Eligio degli Orefici. Era então o pintor mais em voga na Itália.

Diz um de seus biógrafos, Giorgio Vasari, que sua fama era tal que o papa cogitou em transformá-lo em cardeal. Indicado para cuidar das antiguidades de Roma, em 1517, elaborou um mapa arqueológico desta cidade. Transfiguração, de 1517, foi sua derradeira e importante obra, ao lado do cenário composto para a peça cômica I suppositi, do autor Ludovico Ariosto, de 1519.

Ele morreu prematuramente, em Roma, no mesmo dia em que alcançava os 37 anos. Afirma-se que ele foi vítima de uma febre muito severa. Rafael tornou-se famoso especialmente pela produção de suas Madonas, um conjunto de pinturas sobre a Virgem Maria. Seu nome marcou a história do Renascimento.