Rafael Sanzio

Mestre em Artes Visuais (UDESC, 2010)
Graduada em Licenciatura em Desenho e Plástica (UFSM, 2008)

Completando a lista de grandes artistas do Renascimento, juntamente com Michelangelo e Leonardo da Vinci, Rafael Sanzio aparece como o pintor das doces madonas.

Em seis de abril de 1483 na cidade de Urbino na Itália, nascia Raffaello Santi, também conhecido como Rafael Sanzio, ou simplesmente Rafael. Filho de um artista pouco conhecido Giovanni Santi, o pequeno Rafael desde criança já dava indícios de que também tornar-se-ia artista. Aos 18 anos seu nome já ganhava espaço entre os artistas de Urbino, cidade que havia se tornado um importante centro cultural do país naquele período, e seus trabalhos já eram requisitados.

Rafael foi discípulo de Perugino (1446 – 1523) e com ele aprendeu e aprimorou técnicas de pintura e afresco, absorvendo o estilo de seu mestre. Em 1504 foi morar no “Berço do Renascimento”, Florença/ Itália e lá chegando estava determinado a aprender até colocar-se em pé de igualdade com Leonardo da Vinci e Michelangelo, cujos nomes e talentos dominavam daquele cenário. Em Florença permaneceu por quatro anos onde produziu inúmeras madonas e outras inúmeras obras de temas bíblicos. Suas madonas se caracterizavam pela suavidade das feições como em “A Virgem da Rosa”.

A convite do Papa Júlio II e com apenas 26 anos, Rafael foi morar em Roma em 1508 para decorar as paredes de vários aposentos no Vaticano. Nesse período, o artista experimentou o desafio de pintar em grandes espaços. Com estes trabalhos, o artista teve a oportunidade de demonstrar seu domínio na técnica do desenho e afresco. Com a morte de Júlio II, logo foi nomeado arquiteto oficial do Vaticano pelo seu sucessor papal Leão X e assumiu a responsabilidade de continuação das obras na Basílica de São Pedro.

Nesse período no Vaticano, Rafael, executou a obra “Escola de Atenas” onde retratou Leonardo da Vinci e Michelangelo ao centro da obra como os filósofos Platão e Aristóteles, respectivamente.

Escola de Atenas (1511) - uma das principais obras de Rafael.

Embora sempre muito atarefado com os inúmeros trabalhos em afresco, Rafael nunca deixou a pintura de lado. Entre suas obras mais significativas estão: Ressureição de Cristo; A Virgem com o Menino; Retrato de um Homem; A Coroação da Virgem; A Sagrada Família; A Anunciação; Adoração dos Magos; A Transfiguração; Retrato de Baltazar Castiglione; entre outros.

Morreu prematuramente e no auge da sua carreira com 37 anos em 1520 no mesmo dia em que nascera. Conforme sua vontade foi enterrado no Panteão de Roma.

Referências:

Pinacoteca Caras. São Paulo: Editora Abril, 1998, nº 16.

GOMBRICH, E.H. A história da arte. Rio de Janeiro: LTC, 2013.