Meristema

Por Marilia Araujo
Após a fecundação, a célula ovo ou zigoto sofre diversas divisões até resultar no embrião. Inicialmente todas as células se dividem, porém com o desenvolvimento da planta a função de “se dividir para promover o crescimento” vai ficando restrita à um determinado grupo de células. Quando o vegetal atinge a fase adulta, ele ainda apresenta células embrionárias (capazes de se dividir e se multiplicar para continuar o processo de crescimento). Esses tecidos responsáveis pelo desenvolvimento do vegetal são os meristemas. São compostos de células indiferenciadas que se dividem continuamente, são as células meristemáticas. Existem dois tipos de meristemas, se considerarmos a origem deles:

Meristema Primário

Este meristema tem como função promover o crescimento longitudinal (altura). É este tecido que aparece primeiro na extremidade da radícula e nos cotilédones da semente, denominando-se também meristema apical (quando leva-se em consideração a posição que ocupa no vegetal). A atividade deste meristema leva à formação do tecido primário ou corpo primário da planta.

Meristema Secundário

Este promove um crescimento latitudinal (largura, espessura) a partir do tecido primário (produto do meristema primário). São meristemas secundários: câmbio vascular (centro da raiz ou do caule) e felogênio (periferia da raiz ou do caule). Também conhecidos como meristemas laterais, quando a posição que ocupa no vegetal é levada em conta.

meristema secundario

As células deste meristema se dividem periclinalmente e com isso vão adicionando camadas e mais camadas, aumentando o diâmetro do vegetal. Sempre se sobrepondo aos tecidos já existentes. Resultando no corpo ou tecido secundário. O câmbio aumenta a quantidade de tecidos vasculares e o felogênio originará a epiderme da planta.

As dicotiledôneas anuais de pequeno porte assim como a maioria das monocotiledôneas, iniciam e finalizam seu ciclo vital formando apenas a estrutura primária. Em contrapartida, a maioria das dicotiledôneas e também as gimnospermas apresenta um crescimento secundário.

Bibliografia:

- CUTTER, E.G. 1986. Anatomia Vegetal. Parte I - Células e Tecidos. 2ª ed. Roca. São Paulo.

- APEZZATO-DA-GLÓRIA, B. & CARMELLO-GUERREIRO, S.M. 2003. Anatomia Vegetal. Ed. UFV - Universidade Federal de Viçosa. Viçosa.

- FERRI, M.G., MENEZES, N.L. & MONTENEGRO, W.R. 1981. Glossário Ilustrado de Botânica. Livraria Nobel S/A. São Paulo.