Nematelmintos

No filo dos nematelmintos ou nematoides (Nematoda) estão os vermes cilíndricos. São animais de águas salgadas, doces e terrestres. Alguns são de vida livre e outros são parasitas de vertebrados e usando invertebrados como hospedeiros intermediários (usados somente para desenvolvimento, não causando doença).

Estrutura corporal

Nematelminto. Foto: D. Kucharski K. Kucharska / Shutterstock.com

Nematelminto. Foto: D. Kucharski K. Kucharska / Shutterstock.com

Nematelmintos têm corpo cilíndrico, não tem flagelos ou cílios, tem o corpo coberto por cutícula produzida pela hipoderme. Os músculos se contraem somente longitudinalmente. Os órgãos estão mergulhados na pseudocele que auxilia no sistema hidrostático.

Sistema digestivo

Os nematoides de vida livre se alimentam de bactérias, fungos, algas, pequenos anelídeos, plantas (causando danos à agricultura).

Sistema excretor

Por não ter cílios, os nematoides não possuem órgãos excretores. Sendo assim, a excreção é feita por glândulas que se abrem em um poro excretor. A principal excreta desses animais é a amônia.

Sistema digestivo

A boca é o órgão de entrada do sistema digestivo, seguindo pela faringe, intestino não muscular, reto e termina no ânus.

Sistema respiratório

Nematoides parasitas fazem respiração anaeróbica, porém suas larvas, geralmente de vida livre, fazem respiração aeróbica.

Sistema nervoso

O sistema nervoso é centralizado em volta da faringe constituído de um anel nervoso e gânglios. Também possuem um cordão nervoso dorsal e um ventral. Em volta da cabeça e na cauda há diversas papilas sensoriais. Anfídios é um complexo de órgãos nervosos dos animais de vida livre que abrem em cada lado da cabeça pelos poros anfidiais. Nos parasitas há os fasmídios que tem, praticamente, a mesma função dos anfídios.

Sistema reprodutor

Os nematoides são animais dioicos com os machos sendo menores que as fêmeas. Os órgãos copulatórios estão localizados na parte posterior de seus corpos. A fertilização é interna e o desenvolvimento dos animais de vida livre é direto (sai um juvenil do ovo), já os animais parasitas têm desenvolvimento indireto (sai uma larva do ovo) passando, neste caso, pelo interior de outros animais até completarem o desenvolvimento no adulto, os hospedeiros.

Algumas espécies dos nematoides são muito conhecidas por serem parasitas de humanos e animais causando graves doenças.

Ascaris lumbricoides é o verme conhecida como lombriga. Este verme produz entre 200 mil ovos por dia que são liberados nas fezes dos seus hospedeiros. A infestação ocorre quando o ser humano entra em contato com os ovos do verme por causa da falta do saneamento básico. Essa doença pode causar uma grave pneumonia, pois o verme se aloja nos pulmões por um tempo rompendo os bronquíolos até ir para o intestino onde matura e põe os ovos. No intestino, pode causa bloqueio e perfuração.

A ancilostomose é uma doença causada tanto pelo Necator americanus quanto pelo Acylostoma duodenale. Esses animais cortam a mucosa intestinal do hospedeiro para se alimentar do sangue podendo causar profunda anemia. Os ovos saem com as fezes e “chocam” no chão liberando os juvenis que penetram a pele humana quando esta entra em contato com o solo.

Wuchereria bancrofti causa a filaríase, ou elefantíase. Esse verme penetra e vive no sistema linfático dos humanos obstruindo os vasos o que causa o inchaço do local da obstrução. A larva do verme é chamada de microfilária e é liberada dentro do próprio sistema linfático. Quando mosquitos do gênero Culex picam o homem, as larvas que estão nos vasos linfáticos superficiais são sugadas e dentro do mosquito se desenvolvem. A próxima picada do mosquito infecta o ser humano.

Referência:

Hickman, Princípios integrados de zoologia 14 edição, 2008 – Páginas 386 a 393

Arquivado em: Animais, Nematelmintos