Anabolizantes

Os anabolizantes (esteróides androgênicos anabólicos) são hormônios sintéticos que imitam o hormônio testosterona. Apesar de ser conhecido como um hormônio masculino, a testosterona também é encontrada nas mulheres, em quantidade bem menor.

Foto: Nickola_Che / Shutterstock.com

Foto: Nickola_Che / Shutterstock.com

A testosterona natural tem dois efeitos distintos no organismo:

  1. Efeito andrógeno: influencia nas características masculinas como mudança de voz, crescimento do órgão sexual, crescimento de bigode e barba, além de pêlos nas axilas e áreas genitais, e agressividade.
  2. Efeito anabólico: tem influencia no controle de gordura, aumento de massa muscular, força, etc.

O desenvolvimento dos esteróides anabólicos teve como objetivo o aumento do efeito anabólico e a diminuição do efeito andrógeno. No entanto, não houve sucesso na tentativa de obter um anabolizante sem o efeito andrógeno.

Os anabolizantes sintéticos são utilizados no tratamento de algumas doenças, porém, a maior parte dos usuários utiliza com o objetivo de aumentar a capacidade de treinamento (diminuição da fadiga), com conseqüente aumento da força física e da massa muscular. Entre os atletas profissionais, o uso dessa substancia caracteriza doping. O uso é maior entre os homens, mas o índice de mulheres usuárias de anabolizantes é crescente.

Os anabolizantes são encontrados como comprimidos, cápsulas e injeções intramusculares. Os usuários de anabolizantes podem desenvolver dependência.

São inúmeros os possíveis efeitos colaterais. Alguns são comuns a homens e mulheres, enquanto outros são específicos a cada sexo.

HOMENS MULHERES
Calvície Virilização (engrossamento da voz, aparecimento de pêlos na face, etc.)
Ginecomastia (crescimento dos mamilos) Amenorréia
Hipertrofia da próstata Hipertrofia do clitóris
Acne
Impotência e Esterilidade
Agressividade
Hipertensão
Limitação do Crescimento
Problemas de Tendões e Ligamentos
Aumento do Colesterol
Dores de Cabeça
Enrijecimento das articulações
Hepatotoxidade
Insônias
Selamento das epífises ósseas
Coronáriopatias

Os casos de morte causados por anabolizantes não são poucos. Um exemplo é o caso da fisiculturista carioca Lúcia Helena de Jesus Gomes, três vezes campeã brasileira, que morreu em decorrência do uso continuo de anabolizantes. Lúcia não competia mais, pois foi impedida por negar-se a fazer o teste antidoping.

Arquivado em: Bioquímica, Esportes