Vacúolo

Por Clarisse Rocha
Os vacúolos são estruturas citoplasmáticas de diferentes tamanhos, revestidos por membrana e formados a partir do Complexo de Golgi ou do Retículo Endoplasmático.

De acordo com a função e do tipo de organismo, podem existir três tipos de vacúolos: vacúolos contráteis ou pulsáteis, vacúolos de suco celular e vacúolos digestivos.

Os vacúolos contráteis ou pulsáteis estão presentes nos protozoários de água doce e são responsáveis pelo equilíbrio osmótico ao eliminarem o excesso de água nas células. Como estes protozoários são hipertônicos com relação ao meio que habitam, suas células absorvem água por osmose. Essa água é encaminhada para o vacúolo contrátil, que se contrai e bombeia o excesso de água para o exterior. Em algumas espécies, este tipo de vacúolo atua também como auxílio na excreção ou na locomoção.

Os protozoários marinhos não sofrem com o problema osmótico, no entanto, apresentam vacúolo: juntamente com a água são eliminadas substâncias tóxicas ou excretas.

Os vacúolos de suco celular são delimitados por uma membrana lipoprotéica denominada tonoplasto e são exclusivos das células de algumas algas e das plantas. Nas células jovens das plantas são pequenos e numerosos, à medida que a célula se desenvolve e cresce, eles se fundem resultando em um grande, único e bem desenvolvido vacúolo.

Dependendo da espécie, este tipo de vacúolo armazena diferentes substâncias: proteínas (proteoplastos – plastos de reserva protéica em sementes), carboidratos (aminoplastos – plastos de reserva nutritiva nas raízes), antocianinas (pigmentos que dão cor às flores) e toxinas (tanino e nicotina), substâncias de defesa contra predadores.

Os vacúolos digestivos são típicos de células fagocitárias e atuam em associação às enzimas lisossômicas formando outros vacúolos derivados deste processo: vacúolos primários e secundários, ou ainda chamados de vacúolos digestivos e residuais.

Fontes:
AMABIS, J.M; MARTHO, G.R. Fundamentos da Biologia Moderna. 3ª ed. São Paulo. Editora Moderna, v. único, 2003.
LINHARES, S; GEWANDSZNAJDER, F. Biologia. 1ª ed. São Paulo. Editora Àtica, v. único, 2008.
LOPES, S; ROSSO, S. Biologia. 1ª  ed. São Paulo. Editora Saraiva. v. único, 2005