Tuberculose

Mestre em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas (FIOCRUZ, 2011)
Graduada em Biologia (UGF-RJ, 1993)

A tuberculose é uma doença infecciosa predominantemente pulmonar causada pela bactéria do tipo bacilo chamada Mycobacterium tuberculosis (Bacilo de Koch). A bactéria foi descoberta por Robert Koch em 1882. É transmissível de pessoa a pessoa e ainda hoje é um grave problema de saúde, principalmente em países menos desenvolvidos, onde possui alta mortalidade. As variedades do M. tuberculosis podem provocar tuberculose no gado bovino (M. tuberculosis bovis), aves (M. tuberculosis avis) e humanos (M. tuberculosis hominis). A tuberculose bovina pode contagiar o homem e vice versa. Quando o homem adquire a tuberculose bovina, esta se apresenta sob forma extrapulmonar (tuberculose intestinal, óssea ou ganglionar). Mais raramente pode ocorrer tuberculose nas meninges (membrana que recobre o cérebro). Os grupos mais vulneráveis a contrair a tuberculose são os portadores do HIV, diabéticos, fumantes, indivíduos que fazem uso de álcool e drogas e as pessoas privadas de liberdade.

Transmissão

É uma doença extremamente contagiosa. A transmissão pode acontecer de várias formas: através de fala, espirro e tosse da pessoa infectada; uso de objetos, roupas e utensílios contaminados; ingestão de leite, carne bovina e derivados contaminados; convivência com a pessoa infectada. Em domicílios pouco ventilados e arejados a possibilidade de transmissão da doença é maior porque os bacilos sobrevivem por até 8 horas no ambiente.

Sintomas

Tosse persistente por pelo menos três semanas, expectoração, dor torácica, falta de apetite, fadiga constante, emagrecimento, suor noturno, febre baixa ao anoitecer, catarro esverdeado, amarelado ou com sangue. Em casos mais graves pode ocorrer a hemoptise (hemorragia proveniente dos pulmões, devido à ruptura dos vasos pulmonares nas crises de tosse).

Diagnóstico

Basicamente é feito pelo histórico do paciente e o seu exame clínico. Para confirmação do diagnóstico utilizam-se os exames de cultura de escarro (de lavados gástricos, urina, líquido cefalorraquidiano) e raio-X de tórax. Pode ser solicitado quando necessário a biópsia do órgão afetado.

Tratamento

O tratamento dura em média 6 meses. Nos primeiros dois meses, utiliza-se uma combinação de quatro drogas: rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol. Após esse período inicial e durante mais quatro meses o paciente utiliza somente a rifampicina e a isoniazida. Se o paciente seguir o tratamento durante esses seis meses, ele fica curado da infecção. Caso o tratamento seja interrompido, ocorre uma recaída e o paciente tem que começar o tratamento todo novamente. Os casos complexos e graves necessitam de internação hospitalar.

Prevenção

A prevenção é realizada através da vacina BCG que é aplicada no primeiro mês de vida da criança. Essa vacina não é eficaz na tuberculose pulmonar, mas diminui as chances de desenvolvimento das formas graves da doença. Apesar disso, a forma mais eficaz é o tratamento das pessoas doentes para que seja evitado o aparecimento de novos casos.

Bibliografia:

Soares, JL. Programas de Saúde. Editora Scipione

Tortora, Gerard J. Microbiologia. 10. ed. – Porto Alegre: Artmed, 2012.

Tuberculose: médica explica os sintomas, o diagnóstico e como se prevenir.
https://portal.fiocruz.br/pt-br/content/tuberculose-especialista-explica-os-sintomas-o-diagnostico-
e-como-se-prevenir.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.