Silício

Por Júlio César Lima Lira
O Silício, conhecido por ser utilizado em circuitos integrados (chips), é um elemento químico (semimetal) da família 4A, mesma do Carbono, relativamente inerte. É sólido, quebradiço, pardo na forma amorfa e cinza-escuro com brilho metálico na forma cristalina. Seu símbolo químico é Si.

Como um elemento não-metálico, é pouco dúctil ou maleável. Sua massa atômica ponderada vale 28u, e número atômico igual a 14 (elétrons e prótons). Possui estado de oxidação +4 como o mais comum, é material semicondutor e seu arranjo cristalino assemelha-se ao do diamante.

O Silício é bastante resistente a ácidos, sendo poucos os que conseguem oxidá-lo, como a mistura de ácido nítrico e fluorídrico. Assim como também é resistente a oxidação em atmosfera ambiente (não se inflama à simples presença de oxigênio – mas numa mistura gasosa com Flúor, por exemplo) e à maioria dos elementos químicos (exceto os halogênios e alguns metais).

Ocorrência e Abundância

O Silício é o segundo elemento mais abundante da Terra, constituindo 27% da crosta terrestre. Entretanto, se considerarmos os óxidos deste metal, esse valor sobre para 60%.

Está presente em uma gama enorme de minérios, dentre eles: quartzo, ametista, ágata, granito, feldspato e argila. Sua obtenção exige temperaturas na casa dos milhares de graus Celsius.

O dióxido de silício, a sílica, é um dos mais importantes compostos de silício que ocorrem na natureza, surgindo em três formas cristalinas distintas: quartzo, tridimite e cristobalite. Apenas o quartzo possui aplicabilidade comercial, além de ser muito comum em minerais como o granito, a areia e arenitos. É utilizado para estabilizar circuitos amplificadores, medir potenciais elétricos muito elevados ou para medir altas pressões instantâneas. Além disso, pode ser utilizado para fins de experimentos ópticos.

A produção mundial de Silício é da ordem de 1 milhão de toneladas por ano, sendo a maioria utilizada na produção de silicones (química fina) e ligas metálicas especiais.

Aplicações

  • Circuitos Integrados de eletro-eletrônicos;
  • Componente de ligas metálicas;
  • Células fotoelétricas, ou fotovoltaicas (captação de energia solar);
  • Concretos e tijolos;
  • Materias refratários: cerâmica, vidro, cimento;
  • Síntese de Silicones (vernizes, próteses cirúrgicas, lubrificantes).

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Silício
http://www.tabela.oxigenio.com/nao_metais/elemento_quimico_silicio.htm
http://nautilus.fis.uc.pt/st2.5/scenes-p/elem/e01400.html