Olavo Bilac

Por Cristiana Gomes
Olavo Bilac é um dos maiores nomes da nossa rica e vasta literatura.

Embora tenha feito parte de um período literário mal compreendido na sua época (por causa da complexidade das obras) – o Parnasianismo, seu nome será sempre lembrado como um escritor de grande importância para a nossa Literatura e um dos mais populares de sua época.

Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac nasceu no Rio de Janeiro em 16 de dezembro de 1865 e morreu também no Rio em 28 de dezembro de 1918.

Juntamente com Alberto de Oliveira e Raimundo Correia fez parte da Tríade Parnasiana (os três escritores mais importantes de Parnasianismo).

Suas obras A Sesta de Nero e O Incêndio de Roma relatam fatos da Antiguidade, já em O Caçador de Esmeraldas o escritor relata fatos da história do Brasil. Nessas obras o autor foi tipicamente parnasiano.

Fora dessa linha, suas poesias eram líricas, amorosas e sensuais abandonando certas características do Parnasianismo.

Bilac freqüentou os cursos de medicina e direito, mas não os concluiu.
Formou-se em jornalismo e ocupou cargos públicos.

Como foi a favor do Serviço Militar obrigatório e letrista do belo Hino à Bandeira, ganhou o apelido de Poeta Cívico.

Foi poeta, cronista (suas crônicas possuem uma linguagem mais simples tornando-se mais atraente para o leitor), escreveu livros didáticos e também textos críticos sobre literatura e questões nacionais.

Algumas Obras

  • Poesias (18888 – reunia Panóplias, Via Láctea, Sarças de Fogo, Alma Inquieta, As Viagens, O Caçados de Esmeraldas)
  • Sagres (1889)
  • Poesias Infantis
  • Tarde (seu último livro – publicado postumamente em 1919)
  • Crônicas e Novelas (1894)
  • Critica e Fantasia (1904)
  • Ironia e Piedade (1916)
  • Conferências Literárias (1906)
  • O Tratado de metrificação (em colaboração com Guimarães Passos)
  • O dicionário de rimas (também em colaboração com Guimarães Passos)
  • A defesa nacional (discursos de atuação patriótica)
  • Últimas conferências e discursos (1924)
  • A Terra Fluminense
  • Contos Pátrios
  • Pátria Brasileira
  • Teatro Infantil

Estes quatro últimos em colaboração com Coelho Neto.

O Príncipe dos Poetas (como fora apelidado) também foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras.

Além de ter sido um dos maiores escritores brasileiros, existem algumas curiosidades sobre a sua vida, como por exemplo, a briga com outro grande escritor: Raul Pompéia.

Dizem que os dois chegaram até mesmo a marcar um duelo em praça pública, porém por fatores desconhecidos, ele não chegou a acontecer.

Olavo Bilac morreu no dia 28 de dezembro de 1918 e sua morte foi destaque em diversos jornais época.