Digitálicos

Graduação em Farmácia e Bioquímica (Uninove, 2010)

Os digitálicos ou glicosídeos cardíacos são substâncias que derivam de plantas da família da dedaleira (Digitalis sp.). Apresentam alta eficácia no tratamento da Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC) e remodelagem cardíaca, sendo utilizada para este fim desde o século XIX.

Estando presente em muitas plantas e determinadas espécies de sapos, esses compostos apresentam em comum um núcleo esteroidal de aglicona ligado a um anel de lactona insaturado nas estruturas químicas que os compõem.

Foi no final do século XVIII que sugeriram pela primeira vez a provável ação dos digitálicos sobre o coração, mas somente em 1910 que foi observado seu efeito estimulante sobre a musculatura cardíaca, tendo a partir desta data seu efeito reconhecido. Nos anos seguintes, a eficácia clínica da digoxina foi questionada, até que na década de 1990 estudos demonstraram sua eficácia e segurança no tratamento da IC com ritmo sinusal. Com esses achados a digoxina passou a ser o glicosídeo cardíaco mais prescrito, por apresentar, entre outros aspectos, um evidente perfil farmacológico, possibilidade de mensuração do nível sérico e apresentação em diferentes vias de administração.

A insuficiência cardíaca é uma síndrome de caráter complexo que envolve alterações no sistema cardiovascular, incluindo modificações moleculares, bioquímicas, morfológicas e funcionais. Tentando restabelecer as funções, em um mecanismo compensatório, sua progressão resultará em disfunção ventricular, com redução do débito cardíaco e aumento das pressões de enchimento e vasoconstrição periférica. Desta forma, o tratamento medicamentoso desta patologia está baseado principalmente no uso de diuréticos, vasodilatadores, antagonistas neuro-hormonais e digitálicos.

Também conhecidos como cardiotônicos, esses fármacos atuam aumentando a força de contração e o débito cardíaco. Os principais medicamentos pertencentes a esta classe são a digoxina, digitoxina e a metildigoxina.

Mecanismo de ação

Nas membranas das células, inclusive nas cardíacas, chamadas cardiomiócitos, existem proteínas conhecidas como bomba de sódio (ou Na+/K+ ATPase). A digoxina exerce sua provável ação no sítio de ligação do K+, competindo com este íon na bomba que age trocando o Na+ intracelular pelo K+ que está no meio extracelular. No meio extracelular, este Na+ será trocado pelo Ca++ intracelular. Com a inibição da bomba de sódio, haverá aumento do Na+ intracelular, alterando a excitabilidade das células, e aumentando a concentração do Ca++ intracelular, que por sua vez irá prolongar a contração das fibras miocárdicas. Apesar de esta proteína ser constitutiva nas células, as concentrações utilizadas desses digitálicos faz com que apenas as células musculares e neurônios sejam afetados de forma significativa pelo efeito inotrópico positivo desses fármacos.

Os efeitos observados são:

  • Estímulo vagal resultando em bradicardia;
  • Aumento da força e velocidade de contração ventricular;
  • Aumento do débito cardíaco, melhorando a circulação e reduzindo a congestão venosa e edema, também por promover a diurese;

Interações medicamentosas

Podem sofrer interações com diversos fármacos, dentre os quais estão a colestiramina (diminuição de sua absorção), antiácidos (redução da concentração plasmática), tiroxina (aumento da eliminação), eritromicina, omeprazol e tetraciclina (aumento da absorção), diuréticos como a espironolactona, amilorida e triantereno (interferem nos níveis dos íons) além de outros, devendo haver um remanejamento da dose ou substituição desses fármacos, quando necessário.

Efeitos adversos

Os principais efeitos adversos observados são:

  • Arritmias (doses elevadas podem causar arritmias por fibrilação ventricular);
  • Distúrbios gastrointestinais, como náuseas, vômitos e diarreia;
  • Distúrbios visuais e alucinações;
  • Agitação e convulsão.

A digoxina sofre eliminação pelo rim.

Seus efeitos geram resultados impactantes sob o Sistema Único de Saúde, por reduzir gastos, principalmente com hospitalizações por doenças cardíacas relacionadas.

Referências bibliográficas:

Revista Brasileira de Cardiologia. Revigorando os digitálicos. Disponível em http://www.rbconline.org.br/artigo/revigorando-os-digitalicos/, acesso em 16/09/2016.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.