Atlantismo

É denominado atlantismo a doutrina política que advoga uma intensa cooperação entre os Estados Unidos, Canadá e os países da Europa ocidental, no plano político, militar e econômico, entendendo que tais relações devem ser encorajadas e incrementadas, devido à suposta comunhão de valores entre estes países desenvolvidos. O atlantismo deriva de uma visão política internacional fundada no PactoAtlântico.

Esta é de fato a proposta do pacto militar-estratégico da OTAN (Organização do Tratado Atlântico Norte) da Europa Ocidental e América do Norte (EUA e Canadá). A doutrina do atlantismo deve o seu nome à OTAN, fundada em 1949, que assegura em seu ato constitutivo uma aliança militar entre a América do norte e a Europa ocidental. Na altura da sua fundação, a organização tinha como objetivo principal defender a Europa ocidental face à ameaça comunista do Bloco do leste europeu. Mais tarde, o significado do conceito foi alargado, designando uma doutrina política completa, defendida pelos partidários do liberalismo na Europa.

Tal definição no entanto apresenta inúmeras imprecisões, pois quando comparada às teses liberais e com o conceito americano de neoconservadorismo, os quais apresentam princípios análogos. É fato que atualmente, este termo tem uma conotação fortemente negativa, particularmente nos meios esquerdistas e antiglobalização. Na França, o atlantismo enquanto conceito, foi fortemente combatido pelo ex-presidente Charles de Gaulle. Importante citar que em termos práticos, este termo encontra-se totalmente ausente do vocabulário político norte-americano, quer anglófono, quer francófono.

O atlantismo implícito nas diretrizes da OTAN fez com que predominasse o papel anti-soviético (defendido pelos EUA) desta instituição. A França abandonaria tal política, por discordar em um conflito maior com o bloco comunista, que formaria o Pacto de Varsóvia pouco depois de instituída a OTAN.

A ideia do atlantismo apresenta também um certo anti-europeísmo ao colocar as políticas dos Estados Unidos em prioridade face às decisões europeias. Tal foi o caso em 2003, quando os governos da Espanha, o Reino Unido, Polónia e Itália, entre outros, apoiaram o início da Guerra do Iraque desencadeada principalmente pela iniciativa dos EUA a despeito da posição assumida pela Alemanha e França.

Após o início do século XXI, sobretudo nos países francófonos da Europa, o atlantismo é muitas vezes descrito como a defesa do liberalismo econômico, da democracia liberal e ainda como um apoio à política internacional designada americanismo. Na Europa, certos países como o Reino Unido, a Polônia ou os países bálticos, aparentam ser mais favoráveis à ideia de atlantismo. Outros como a França e a Alemanha parecem moderadamente favoráveis ao atlantismo, dependendo das maiorias parlamentares que se encontrem no poder. Idêntica situação se passa na Itália e na Espanha, cuja política externa foi muito marcada pelo atlantismo durante os governos de Silvio Berlusconi e José María Aznar.

Bibliografia:
HILLARD, Pierre. L'architecture du bloc euro-atlantique (em francês). Disponível em <http://www.diploweb.com/forum/hillard07022.htm>. Acesso em: 25 set. 2011.

Atlantismo. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Atlantismo>. Acesso em: 25 set. 2011.

Arquivado em: Geografia, Política