Estação Vostok

Vostok, localizada em uma área elevada, a 3 400 metros do solo, é uma estação científica russa que tem como objetivo investigar várias questões relativas à região da Antártida, onde foi construída; ao clima do Planeta e, principalmente, às oscilações magnéticas da Terra, pois esta base encontra-se bem perto do polo sul magnético – grau espacial que, em relação à porção externa do globo, está incessantemente em estágio de mutação; nele as linhas de força do magnetismo planetário são direcionadas verticalmente e para o alto.

Estação Vostok

Esta estação foi instituída em 16 de dezembro de 1957 por Vasiliy Semenovich Sidorov, o qual posteriormente lideraria muitas vezes a Vostok. Hoje a Rússia não está isolada nas pesquisas aí realizadas, pois divide as investigações científicas com representantes dos Estados Unidos e da França.

Ela foi batizada com este nome em uma homenagem ao saveiro movido a vela intitulado 'Восто́к', o qual tem o sentido de ‘Oriente’, no idioma russo. Esta embarcação integrou a Expedição Antártica que se deslocou para esta região entre 1819 e 1821. A Vostok foi estruturada no seio da Antártida, a 1253 km do Polo Sul e a 1260 km do litoral vizinho.

Só é possível atingir a Antártida durante o verão, por via aérea; é quando os estudiosos que lá permanecem recebem todos os suprimentos necessários e o suporte exterior, os quais são impossíveis de prover ao longo do inverno, pois neste período ninguém consegue chegar ao continente. Quem aí se encontra durante esta estação consegue se transportar apenas através de trator-comboio e trenó.

O verão atrai diversos cientistas e construtores para o continente gelado, quando então a estação passa a abrigar cerca de 25 estudiosos e empreendedores; no inverno, porém, esta quantidade cai drasticamente, atingindo apenas o total de 13 pessoas. As pesquisas realizadas na Vostok têm como meta investigar os elementos denominados hidrocarbonetos e também riquezas minerais e o suprimento de água potável.

São realizadas também experiências de natureza geofísica e glaciológica, assim como são estudadas as mudanças no clima do Planeta, o buraco na camada de ozônio, a altura do nível de água nos oceanos, entre outras questões prementes. No dia 21 de julho de 1983 registrou-se nesta estação um fato inédito – neste momento foi registrada a menor temperatura de que se tem conhecimento na face da Terra: 89,2 graus Celsius negativos.

A Vostok é hoje a estação científica mais afastada do convívio humano em todo o Planeta; e certamente não é um local adequado para a maioria das pessoas. Nos últimos tempos suas conclusões científicas lhe concederam um considerável renome nos meios acadêmicos. Na década de 70 encontrou-se, nas redondezas da base, um lago que corre sob a terra, o qual apresenta a extensão de 12 000 km², oculto do olhar humano há pelo menos 30 milhões de anos por uma cobertura de gelo que apresenta uma densidade de 5 mil metros.

Hoje os cientistas se dedicam a investigar as modalidades de vida que aí evoluíram, distintas do universo em que vivemos, sem nenhuma convivência com os elementos externos, a temperaturas de -50º Celsius. Esta região é varrida constantemente por ventos intensos e as chuvas estão praticamente ausentes do continente.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Estação_Vostok
http://super.abril.com.br/tecnologia/estacao-vostok-morada-frio-442677.shtml
http://www.agoravox.fr/actualites/technologies/article/la-rencontre-des-eaux-mysterieuses-34064

Arquivado em: Geografia