A Síria na Antiguidade

A Síria era em meados de 1000 a.C. um aglomerado de diversos Estados - Gesur, Zobá, Arã e Damasco. Nesta época remota os sírios já lutavam contra Israel e tentavam tomar suas terras. Em um destes confrontos, o soberano de Zobá foi derrotado por Davi, precisamente em 990 a.C.

Em resposta seus habitantes se reúnem sob o comando de Damasco e unificam a Síria. Esta nação tem uma trajetória ancestral, desde quando englobava a Mesopotâmia, região onde hoje se localiza o Iraque, e o Líbano; depois foi constituída por arameus e assírios e passou a se contrapor à civilização mesopotâmica e ao Egito. Posteriormente à invasão dos persas, ela foi dominada por Alexandre III, governante da Macedônia.

No período em que imperava o helenismo grego, a Síria se transformou no epicentro dos selêucidas e no século I a.C. se tornou uma região anexa ao Império Romano. Seu desenvolvimento histórico é comprovado por descobertas arqueológicas que remetem a 50 séculos. Sabe-se que ela foi invadida por canaanitas, fenícios, arameus, hebreus, egípcios, sumérios, assírios, babilônios, hititas, persas, gregos e bizantinos.

A escalada do islamismo converteu a Síria em um dos pólos mais significativos do universo árabe, principalmente durante o califado omíada, que perdurou de 660 a 750, e teve como centro o distrito de Damasco, e ao longo da dinastia hamdanita (944-1003), centralizada em Alepo.

O domínio dos árabes teve início em 636 d.C., quando os sírios se libertaram dos bizantinos. Em 711 as forças de Tarik Ibn Ziad, possivelmente de procedência berbere, conquistaram a Península Íbérica, derrotando o tirânico Imperador Roderico na Batalha de Guadalete, com apoio de muitos habitantes desta região. Al Walid era então o califa da Síria e sob sua gestão foram conquistadas também as terras que se estendiam do Rio Eufrates até onde hoje está situado o Paquistão.

Já o califa de Damasco, Hisham ibn Abd al-Malik não foi bem-sucedido em 732, quando expediu uma tropa de grandes proporções com a missão de dominar o continente europeu. Este exército foi vencido pelas forças de Carlos Martel nas redondezas de Paris.

Quando o derradeiro califa Omíada, Marwan II, é morto em 750, sendo sucedido pela linhagem dos Abássidas, o centro do poder é deslocado para Bagdá. A dinastia omíada só encontra condições para voltar ao trono em 950. Mas nesta época Damasco já tinha sido destituída de seu status político.

Este fato explica certa apatia dos califas de Bagdá no século XI, durante a ocupação dos cruzados nas proximidades de Damasco. Saladino é responsável por formar uma unidade a partir da junção de Egito, Síria e Iraque, e mais uma vez Damasco torna-se o centro da nação.

Os cruzados são então retirados deste território, deixando como herança a comunidade cristã maronita. No século XVI a Síria se transformou em uma simples divisão geográfica do Império Otomano. Com o declínio desta civilização no contexto da Primeira Guerra Mundial, o país passou a ser comandado pelos franceses, até finalmente alcançar, em 1946, a tão sonhada independência.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_S%C3%ADria
http://povosdaantiguidade.blogspot.com.br/2009/12/historia-da-siria.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/T%C3%A1rique