O Brasil na Segunda Guerra Mundial

Mestrado em História (UDESC, 2012)
Graduação em História (UDESC, 2009)

Durante a Segunda Guerra Mundial ocorreu um bloqueio por parte dos britânicos aos navios mercantes alemães, o que gerou uma grande queda nas relações comerciais entre Brasil e Alemanha. Ao mesmo tempo, as trocas comerciais entre o Brasil e os Estados Unidos se avolumaram.

A entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial se deu por meio de acordos políticos que interessavam ao país. O governo brasileiro apoiava tanto o Eixo quanto os Aliados, fazia um “jogo duplo” leiloando os seus efetivos de guerra em busca de vantagens econômicas para o Brasil. O jogo político com os Estado Unidos que manifestavam interesses em ter uma base no nordeste brasileiro. Este interesse levou Getúlio Vargas e Frank Delano Roosevelt a construírem acordos para que o Brasil cedesse o território para a base americana e enviasse soldados brasileiros para a guerra. Na política de boa vizinha de Roosevelt, os brasileiros cumprem a sua parte do acordo, e os americanos financiam a Companhia Siderúrgica Nacional e concedem outros acordos econômicos a favor do Brasil. Em razão desta aproximação, o país passou a fornecer seus bens, tais como a borracha e minérios, para suprir a indústria bélica dos países Aliados.

A escolha pelos Aliados fez com que a Alemanha ficasse contrariada, e para mostrar seu ressentimento, atacou com os seus submarinos os navios mercantes brasileiros nas águas do Mediterrâneo e do Atlântico. Nestes ataques morreram cerca de 600 pessoas. Em agosto de 1942 o Brasil declarou guerra aos países do Eixo, agora com motivos concretos e não apenas por interesses políticos. Em 1944 o governo brasileiro envia as tropas para combater os nazistas e fascistas na Itália. Os soldados da Força Expedicionária Brasileira (FEB) e a Força Aérea Brasileira (FAB) partem para atuarem juntos com os aliados nos campos de batalhas italianos.

A guerra na Europa gerou alguns impactos significativos no brasileiro comum daquela época. Houve uma recessão de consumo, principalmente de produtos essenciais, como pão e leite. A falta de combustíveis também foi sentida pelos brasileiros, houve inclusive a troca dos combustíveis em carros e ônibus pelo gasogênio, o chamado “gás pobre”, que deixava um cheiro ruim que ficou na memória daqueles que viveram o período de racionamento.

Neste período iniciado em 1939, houve a chamada nacionalização onde todos aqueles imigrantes não poderiam falar sua língua natal, além disso a vinda de imigrantes italianos, alemães e japoneses passou a ser controlada. Nos estados no sul do Brasil, havia grandes quantidades de imigrantes de origem italiana e alemã, foram bastante vigiados e punidos. Uma das medidas tomadas pelo governo foi a proibição do ensino de língua estrangeira nas escolas e aqueles que descumprissem as ordens eram levados para prisões onde eram muitas vezes torturados.

A economia brasileira durante o período, no entanto, teve um aumento significativo graças a Segunda Guerra Mundial. Os primeiros anos do conflito favoreceram os preços das matérias-primas, geralmente produtos agrícolas, que sustentavam as exportações, foram elevados no mercado internacional, valorizando a balança comercial brasileira. O país também passou por um aquecimento na industrialização de bens de consumo que eram importados e agora eram produtos nacionais.

O fim da Segunda Guerra Mundial simbolizou também a queda de várias ditaduras, como o regime fascista na Itália e o nazista na Alemanha. Após isso ficava insustentável para Getúlio Vargas manter uma ditadura, mesmo com os avanços econômicos e trabalhistas que haviam sido implementados. No poder desde 1930, ficava cada vez mais difícil para o presidente explicar como a ditadura brasileira, que perseguia seus adversários, censurava órgãos de comunicação, tinha lutado ao lado do bloco dos países Aliados, contra governos totalitários na Europa que eram tão autoritários quanto Vargas.