Segundo Triunvirato de Roma

Por Thiago Augusto Ramos César
Os Triunviratos de Roma

O Triunvirato, em suma, é um governo formado por 3 representantes. Existe o termo Troika, usado também para simbolizar uma aliança de três países, como foi a Rússia – União Européia – EUA.

Neste artigo, iremos tratar do 2º Triunvirato romano, e em um artigo separado, o 1º Triunvirato, ambos muito famosos na história.

Gostaria de ressaltar, que os nomes estão em sua forma completa para um aprofundamento maior no assunto, sendo que os nomes citados, são mais conhecidos pelo ultimo nome. Exemplo : Marcus Junius Brutus = Brutus

O Segundo Triunvirato

Diferentemente do primeiro Triunvirato Romano (Gaius Julius César, Gnaeus Pompeus Magnus e Marco Licínio Crasso), o segundo Triunvirato foi oficialmente reconhecido, recebendo o nome em latim: Triumviri Rei Publicae Constituendae Consulari Potestate ( Triunviros para a Organização do Povo ), sendo este formado em 43 a.C , aprovado pela Assembléia do Povo (Órgão equivalente ao Senado, podendo vetar leis, mas não podendo ter 2 Cônsules; não podendo apresentar leis) e constituído por Octavianus Augustus (Otávio Augusto), Emílio Lépido e Marco António, tendo estes o poder supremo por 5 Anos.

Fazia pouco tempo que Gaius Julius César, o pai adotivo de Octavius, fora assassinado e, a primeira atitude tomada pelos Triunviros (os 3 líderes) foi a de caçar todos os participantes da trama contra Gaius Julius César, principalmente Marcus Brutus, sobrinho de catão (Brutus que César se referiu quando disse : “Tu quoque, Bruti, fili mi” – “Até tu Brutus, filho meu”- Ressalto que Brutus não era seu filho) e Gaius Longinus Cassius, ambos os maiores conspiradores.

Como a maioria das vezes na história, três pessoas eram pessoas demais para dividir o poder e a relação entre os Triunviros não era boa. Após os cinco anos de poder, os três foram re-eleitos e Emílio Lépido, numa tentativa falha de tomar o poder, fora exilado e jogado pra fora do cenário político. Restavam Marco Antonio e Octavius, mas antes, podemos ressaltar dois amigos de Octavius, sendo eles Marcos Agripa e Caius Mecenas, sendo o primeiro um formidável militar que atingiu o cargo de General Máximo de Roma e o segundo um grande político e estudioso, financiador da arte de Virgílio e Horácio, tanto que até hoje nos referimos á Mecenas quando falamos de pessoas que financiam mentes brilhantes.

Marco Antonio, que se encontrava no Egito com seu exército, atacava Otávio com freqüência, até que o combate aberto aconteceu, retratado pela Batalha de Actium (Ácio) no mar da Grécia, onde a frota de Octavius (comandada pelo general Agripa) derrotou a frota de Marco Antonio (apoiada pelos Egípcios e Cleópatra). Era o fim do Triunvirato, com Marco Antonio e Cleópatra fugindo para o Egito e com a perseguição de Octavius, resultando no suicídio de Cleópatra e Marco Antonio.

Após esses eventos, Octavius, no mês de Agosto, foi consagrado com o título de Augustus (Divino) e o mês de Agosto foi justamente nomeado assim por esse motivo. Eis que Octavius se tornou o primeiro Imperator (imperador) Romano da história (Gaius Julius César não foi Imperador), um grande marco na história que trouxe mudanças decisivas em Roma, que agora se tornara Império Romano.

OBS: Augusto é um título recebido por Octavius, adquirido com o tempo sendo seu nome completo: Gaius Julius Caesar Octavianus Augustus e seu nome original de nascença Caio Octávio Turino (Gaius Octavius Thurinus).