Concretismo

Mestre em Literatura Brasileira (UERJ, 2010)
Graduada em Letras e Literatura (UERJ, 2008)

Concretismo surge na Europa por volta de 1930 e afasta-se de qualquer conotação lírica ou sentimental, privilegiando a forma. Foram influenciados por teorias psicológicas em evidência na Alemanha como a Gestalt e pelo abstracionismo de 1917.

Gestalt é uma teoria psicológica, que se desenvolveu por volta de 1910. Em linhas gerais, essa teoria relaciona percepção e forma a fim de compreender os processos de ilusão de ótica. Já o abstracionismo é uma estética de vanguarda que privilegia a forma. É comum considerar diversas estéticas que privilegiaram a forma como abstracionismo, não havendo um único movimento abstrato, mas diversas manifestações do abstracionismo. Estéticas vanguardistas como cubismo, futurismo e dadaísmo seriam manifestações abstratas e estavam presentes na ideologia dos concretistas. De maneira geral, a forma, a ausência de regras e a liberdade artística seriam as características dessa arte. Assim, para o artista concretista, a arte é uma questão de percepção, não se encerra em si, vai além da forma ou da palavra, aliando as diversas facetas da arte.

Apesar de ser um movimento do século XX, os genes do concretismo remontam ao poeta simbolista Mallarmé, que já em 1897 lançou o poema “Un coup de dés jamais n'abolira le hasard” (Um lance de dados jamais abolirá o acaso). O poema é uma antecipação do que seria a poesia concreta: subverte o verso (não há verso segundo a definição tradicional, nem rima ou métrica), a frase, utiliza-se de várias fontes tipográficas, de tamanhos diferentes, usando negrito, itálico.

* Tradução de Haroldo de Campos

Essa produção de Mallarmé tornou-se um marco de seu tempo e foi além, tornou-se marco para as gerações vindouras. Foi a partir desse poema que a poesia como techné foi levada ao extremo (poesia como técnica): o poema é objeto da linguagem, como uma realidade em si e não como suporte para um tema. Assim, a forma, disposição das palavras, o efeito sonoro, a ocupação dos espaços em branco, tornam-se parte do que compõe o poema.

Outros poetas seguiram a inovação de Mallarmé: Maiakóvski, Marinetti, Apollinaire, poetas das estéticas de vanguarda. As vanguardas europeias defendiam o fim do academicismo da arte, ou seja, o fim das regras que definem o que seria ou não uma obra de arte. Essa premissa servirá ao modernismo e será ampliada no concretismo que questionará quais as fronteiras da arte e quais as fronteiras da poesia. A poesia concretista aliou artes plásticas à poesia, rompendo com as barreiras do espaciotemporal.

Em Portugal, a poesia concretista era chamada de Poesia experimental e tinha como principal nome Herberto Helder que começou a publicar alguma poesia experimental já em 1938 e elaborando poesia concretista em 1961. É interessante observar que a escola concretista brasileira influenciou a literatura portuguesa (num movimento contrário ao que se vira até então), como afirma o teórico Antonio Jose Saraiva em seu História da Literatura portuguesa.

Contemporaneamente, a poesia concreta se auxilia da tecnologia para ampliar sua produção. Não raro vemos sítios virtuais com apresentações de obras concretistas.

Leia também:

Bibliografia:

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo, Cultrix, 2012.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira. Rio de Janeiro, Ouro sobre azul, 2007.

RAMOS, Silva. Poesia moderna. São Paulo, Editora Melhoramentos, 1967.

SARAIVA, Antonio José. História da Literatura Portuguesa. Porto Editora. s/d.

DICK, Henrique André. Un coup de dés: o testamento do espaço mallarmeano. Dissertação de mestrado, UFRGS, 2002. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/8639/000584653.pdf