Fantasia (gênero)

Segundo a definição do iDicionário Aulete, fantasia, enquanto gênero, significa “obra artística (livro, pintura etc.) sem ligação com a realidade”. Quando relacionada ao mundo das artes, a fantasia é considerada um gênero que faz uso da magia e de outros elementos sobrenaturais como peças importantes que permeiam uma obra. A fantasia distingue-se da ficção científica e do horror de três formas: temática individual do autor, atmosfera criada e aspecto geral.

Apesar disso, existe uma grande sobreposição que ocorre com a junção do horror, da fantasia e da ficção científica. Este fenômeno é chamado de ficção especulativa. A fantasia é encontrada em obras de diversos tipos como quadros, filmes, romances, contos, músicas ou histórias em quadrinhos. Ela pode ser encontrada desde a época dos mitos e das lendas até as obras contemporâneas, em que ocorre a mistura de diversos tipos de elementos fantásticos.

Na literatura fantástica, da mesma forma que ocorre na ficção especulativa, o universo criado ou os personagens diferem da realidade. Na maioria dos trabalhos, a fuga da realidade é, geralmente, explicada por intervenções de divindades, magia, forças ocultas ou sobrenaturais.

Uma das correntes que certamente beberam das características da fantasia foi o Realismo Mágico, escola literária latino-americana. Nesta vertente, o universo fantástico funde-se com a realidade. Elementos irreais ou bizarros são apresentados como corriqueiros e habituais. Ao contrário da fantasia, em que o fantástico busca uma explicação, o Realismo Mágico insere elementos inexistentes sem a menor explicação e de forma intuitiva.

Outra característica marcante do gênero fantasia é que o elemento fantástico não necessita de uma explicação científica ou tecnológica, podendo ser justificado por magia ou qualquer outro fenômeno fora da normalidade. Apesar de bastante aceito entre fãs e estudiosos do gênero, este argumento não é universal. Um exemplo que quebra esta regra são as histórias infantis, que, apesar de possuírem todos os elementos da fantasia, são consideradas em gêneros como fábulas, entre outros.

De acordo com Roger Caillois, sociólogo e crítico literário francês, o fantástico “manifesta um escândalo, uma ruptura, uma irrupção insólita, quase insuportável, no mundo real”, que desencadeia “uma desordem nova, um pânico desconhecido”, do qual resulta não possuir “sentido num universo maravilhoso, no qual seria mesmo inconcebível”. Já na opinião de Tzvetan Todorov, filósofo e linguista búlgaro, “o fantástico é a hesitação experimentada por uma criatura que não conhece senão as leis naturais, perante um acontecimento com aparência de sobrenatural”.

Fontes:
MOISÉS, Massaud. Dicionário de Termos Literários. São Paulo: Cultrix, 1998.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Fantasia_(g%C3%AAnero)
http://aulete.uol.com.br/site.php?mdl=aulete_digital&op=loadVerbete&pesquisa=1&palavra=fantasia

Arquivado em: Gêneros Literários