Sementes de Sucupira

Por Ana Lucia Santana
Em 2008 estudiosos vinculados ao Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) descobriram nas sementes de um vegetal denominado pela sabedoria popular como sucupira, um elemento com potencial para reduzir o desenvolvimento de células cancerígenas na próstata.

Esta árvore, cientificamente conhecida como Pterodon pubescens Benth, propiciou a estes pesquisadores identificar esta substância em experiências realizadas in vitro e supervisionadas pela cientista Mary Ann Foglio, do Departamento de Farmacologia, Anestesiologia e Terapêutica da Faculdade de Odontologia. Em 2009 esta pesquisadora deu início às observações do desempenho desta planta em ratos utilizados como cobaias.

Até agora a molécula examinada, retirada do óleo da semente de sucupira, batizada como 6alfa-acetóxi-7beta-hidroxi-vouacapano, apresentou um alto potencial para o combate a estes tumores. Este arbusto, já conhecido há um bom tempo pela população do Cerrado, é ancestralmente valorizado por seus resultados positivos na luta contra processos inflamatórios e na erradicação da dor.

Por esta razão, suas sementes atuam poderosamente contra enfermidades como a artrite, a artrose, o reumatismo e as dores nas costas, nos joelhos e nas articulações. Atualmente as pesquisas científicas estão apenas comprovando o que já era de domínio comum dos habitantes desta região na qual nasce a Sucupira.

A conversão industrial da semente em extrato foi patenteada junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial, o INPI. Esta substância preserva seus princípios ativos e contém a semente e o óleo da planta. Hoje o chá de sucupira é comercializado pelo laboratório que detém, oficialmente, o monopólio de sua produção, a Fitomedic.

Ele alerta para a existência de outras sementes de sucupira distintas das que estão sendo estudadas pela Ciência, as quais estão sendo negociadas no mercado paralelo. Estudiosos da Unicamp continuam observando a atuação da molécula existente na sucupira; eles ratificam informações pré-existentes sobre a interação entre a conduta antiinflamatória e o domínio do desenvolvimento de algumas espécies de tumores. Pesquisas anteriores já haviam também provado o poder de eliminar inflamações e o potencial analgésico desta planta.

A sucupira é um arbusto de natureza rural. Sua madeira é igualmente popular e há uma intensa demanda deste material. Entre agosto e setembro suas flores desabrocham nas variedades roxas e azuis. Seu chá é utilizado também contra a úlcera, gastrite, ácido úrico, aftas, amidalite, asma, inflamações da uretra, doenças da pele, diabete, hemorragias, vermes intestinais, inflamações no útero e no ovário, entre outras prescrições. Além de seu potencial anticancerígeno.

Fontes:
http://www.fitomedic.com.br/detalhes_prod.php?produtos=73
http://www.ecodebate.com.br/2008/12/11/pesquisadores-da-unicamp-identificam-substancia-na-semente-da-sucupira-capaz-de-inibir-o-crescimento-de-celulas-cancerigenas/