Articulações

Graduação em Fisioterapia (Faculdade da Serra Gaúcha, FSG, 2014)

As articulações caracterizam-se pelo contato entre estruturas ósseas. O movimento das articulações é determinado pela forma como se articulam, pela tensão/flexibilidade existente no tecido conjuntivo adjacente e pelo posicionamento ligamentar, muscular e tendíneo associados. As articulações podem se classificar como estruturais (características anatômicas) ou funcionais (tipo de movimento).

As articulações do ombro. Ilustração: Henry Gray. A Anatomia do Corpo Humano, 1918.

Classificação articular estrutural

Baseia-se conforme a cavidade articular e o tipo de tecido conjuntivo que mantém a congruência óssea. Podem ser classificadas em:

  • fibrosas (cavidade articular inexistente; ossos são mantidos próximos através de tecido conjuntivo fibroso);
  • cartilaginosas (estruturas são mantidas unidas através de tecido cartilaginoso);
  • sinoviais (cavidade articular com ossos unidos por cápsula articular e ligamentos acessórios).

Classificação articular funcional

Considera-se o grau de movimento funcional. Classificam-se em:

  • Sinartrose: articulação imóvel. Pode ser de três tipos:
    • Sutura: articulação fibrosa encontrada entre os ossos cranianos. Os ossos são unidos por tecido conjuntivo fibroso denso.
    • Gonfose: articulação fibrosa onde um pino em forma de cone ajusta-se ao soquete. Ex: maxila e mandíbula.
    • Sincondrose: articulação cartilaginosa onde o material que conecta uma estrutura à outra é a cartilagem hialina. Ex: discos epifisários; articulação entre a primeira costela e o esterno.
  • Anfiartrose: articulação que possui pequena movimentação. Podem ser de dois tipos:
    • Sindesmose: maior parte da estrutura é formada por tecido conjuntivo fibroso, ajuste ósseo com pouquíssimo espaço, permitindo pouca flexibilidade.
    • Sínfise: articulação cartilaginosa onde o material de conexão entre as estruturas é um disco de fibrocartilagem. Exemplo: discos intervertebrais; sínfise púbica.
  • Diartrose: articulação que possui movimentação livre, tendo grande variedade de formas permitindo a movimentação em diversos planos. Possuem estruturas como:
    • Cavidade articular: separa os ossos em articulações.
    • Cartilagem articular: composta por cartilagem hialina, recobre as estruturas ósseas, reduzindo o atrito no movimento e absorção do impacto.
    • Cápsula articular: envolve completamente as estruturas ósseas. Dividem-se em duas camadas: a externa denominada membrana fibrosa (compostas por tecido conjuntivo denso e irregular; fixa-se no periósteo; também chamadas de ligamentos) e a interna denomina-se como membrana sinovial (composta por tecido conjuntivo areolar; excreta líquido sinovial, responsável pelo preenchimento da cavidade articular, nutrição, lubrificação e redução do atrito).
    • Ligamentos acessórios: podem estar dentro ou fora da cápsula articular.
    • Discos articulares: também denominados meniscos, ficam entre dois ossos com superfícies diferentes, auxiliando na estabilização da articulação, fornecendo um encaixe ajustado.
    • Bolsas sinoviais: também chamadas de bursas sinoviais. Encontram-se cheias de líquido sinovial. Localizam-se onde os tecidos ósseos e tecidos moles se encontram. Acomodam o movimento entre as estruturas.

Tipos de diartroses

  • Articulação plana: Superfície se move em deslizamento, sendo estes de frente para trás, de um lado para o outro, sem que haja movimento angular ou rotatório (ex: ossos do carpo, ossos do tarso)
  • Articulação gínglimo: a superfície convexa de um osso ajusta-se à superfície côncava de outro osso. Os movimentos são de flexão (reduz o ângulo entre os ossos) e extensão (aumenta o ângulo entre os ossos). Algumas articulações podem realizar a hiperextensão (ex: cabeça inclinada para trás).
  • Articulação trocóide: também chamada de pivotante, a superfície arredondada ou pontiaguda do osso articula-se dentro de um anel formado parcialmente por osso e ligamento, realizando a rotação. Realizam movimentos de pronação e supinação.
  • Articulação elipsóide: também chamada de condilar, uma superfície oval ajusta-se em uma depressão de outro osso. Os movimentos realizados são flexão, extensão, adução, abdução e circundução. (ex: articulação do punho e rádio, ossos do carpo).
  • Articulação selar: a superfície de um osso tem forma de sela e a superfície articular da outra estrutura tem forma dos membros inferiores de um cavaleiro sentado. Os movimentos são látero-lateral, deslizamento ântero -posterior e circundução. (ex: trapézio e base metacarpal).
  • Articulação esferóide: também chamada de cotiloide, caracteriza-se por uma estrutura óssea redonda ajustada a uma depressão semelhante a um copo no outro osso. Realiza movimentos de flexão-extensão, abdução-adução, rotação-circundução.

Referências:

NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

TORTORA, Gerard J. Corpo Humano – Fundamentos de Anatomia e Fisiologia. Porto Alegre. 4ª ed. Artmed Editora. 2000.

Arquivado em: Anatomia, Sistema Muscular