Análise Sintática e Análise Morfológica

Por Cristiana Gomes
Todos nós já estudamos a gramática da língua portuguesa nas escolas, logo sabemos que uma gramática é dividida em várias partes: fonética, morfologia, sintaxe, etc.

A divisão foi feita para nos ajudar a compreender como funcionam as palvras na oração: sozinhas ou em relação às outras.

Porém tal divisão, às vezes, confunde os alunos, principalmente quando o assunto é morfologia e sintaxe. Muitos confundem as duas partes e acabam por misturá-las em uma análise.

A morfologia é a parte da gramática que considera a palavra em si (sozinha), já a sintaxe estuda a palavra em relação às outras que se acham na mesma oração.

Em resumo, uma palavra exerce na oração duas funções: a morfológica que é a que a palavra exerce quanto à classe a que pertence (substantivo, adjetivo, pronome, etc) e a sintática, que vem a ser a que a palavra exerce em relação a outros termos da oração. Nesse caso, a palavra poderá desempenhar vários papéis (sujeito, objeto, etc).

EXEMPLO:

"Maria comprou um carro".

Se analisarmos a palavra "Maria" no sentido morfológico, temos um substantivo próprio, já na sintaxe "Maria" é sujeito simples da oração.

ANÁLISE MORFOLÓGICA

Maria: substantivo próprio
comprou: verbo
um: artigo
carro: substantivo comum

ANÁLISE SINTÁTICA

Maria: sujeito
comprou: núcleo do predicado verbal (comprou um carro)
um: adjunto adnominal
carro: núcleo do objeto direto (um carro)

Não é difícil, basta o aluno prestar atenção e saber qual tipo de análise o professor está pedindo (a morfológica ou a sintática). Porém, às vezes, as duas são pedidas na chamada análise morfo-sintática.