Fonofobia

Fonofobia é um transtorno psicológico caracterizado pelo medo exagerado ou irracional de barulhos, inclusive os sons normais como o da própria voz, que causam uma série de desconfortos clínicos no indivíduo. A maioria das pessoas normais não suporta barulhos altos e excessivos, mas os fonofóbicos são extremamente sensíveis aos sons e preferem estar em ambientes onde o silêncio predomina. Esta reação de aversão aos sons dos fonofóbicos é devido ao fato de pensarem que se ficarem expostos a certos tipos de sons, poderão prejudicar seus ouvidos (ouvir aqueles zumbidos desagradáveis) e até mesmo provocar a perda auditiva, mesmo sendo sons de baixa intensidade.

Para as pessoas normais barulhos como os de alto-falantes, alarmes, o ranger de porta, do atrito do giz com a lousa, o som do balão estourando pode ser irritante e incomodar bastante. Porém estes barulhos para os fonofóbicos são insuportáveis e geram uma série de reações desagradáveis como tremores, sudorese, palpitações, dor de cabeça, náuseas, falta de ar e até mesmo crise de choro, devido a sua hipersensibilidade aos sons. No entanto estes sintomas variam de indivíduo para indivíduo.

O indivíduo fonofóbico evita qualquer atividade que possa estar exposto a ruídos, o que compromete bastante a sua qualidade de vida. Muitos não suportam enfrentar o trânsito para se deslocarem ao trabalho, mesmo utilizando um tampão específico no ouvido, e acabam ficando isolados em suas residências e da sociedade (casos extremos). Por isso o tratamento deste distúrbio é essencial e deve ter o apoio de um psiquiatra e otorrinolaringologista que irão receitar medicamentos específicos para aliviar os sintomas da fonofobia. Por que não curar? Porque infelizmente medicamentos não curam fobias, só amenizam os sintomas. Mas, resultados satisfatórios têm sido obtidos com psicoterapias que ajudam os fenofóbicos a lidarem melhor com seus transtornos através de técnicas de auto-ajuda.

Referências Bibliográficas:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Fonofobia
http://www.fonoesaude.org/hipersens.htm
http://boasaude.uol.com.br/realce/emailorprint.cfm?id=11894&type=lib

Arquivado em: Psicologia