Acidente nuclear de Fukushima

Graduação em Química (Centro Universitário Franciscano, UNIFRA, 2014)

Em 11 de março de 2011 o noroeste da costa do Japão sofreu um terremoto de 8,9 graus de magnitude e sequencialmente um tsunami. Com os efeitos dessas catástrofes outra tragédia pior acabou se formando, o acidente nuclear de Fukushima.

A usina contava com 6 reatores, porém na data apenas os reatores 1, 2 e 3 estavam funcionando. Devido ao terremoto foram ocasionadas explosões, superaquecimento e a tsunami que se seguiu fez com que o sistema de motor a diesel também parasse de funcionar gerando um gravíssimo acidente. Não houveram mortos iminentes devido a radiação mas estima-se que muitos sofram os efeitos mesmo que a longo prazo pois 30 mil pessoas foram evacuadas dos arredores. Os 4 reatores tiveram seus núcleos derretidos com a sequência de reações. Em agosto de 2013 foram constatados vazamentos de água radioativa no mar o que agravaria a situação ambiental, pois é praticamente impossível mensurar os estragos que todo esse desastre possa ter causado e ainda causar.

O Ministério da Educação e Ciência do Japão fez medições na área que indicaram um alto índice de Césio radioativo. Estudos apontam que o desastre poderia ter sido evitado pois segundo a comissão de avaliação a usina nuclear operava sem capacidade para aguentar um terremoto e uma tsunami. Devemos considerar que o Japão é um país bastante propenso a esses fenômenos, por estar no encontro entre várias placas tectônicas e, portanto, essas variáveis deveriam sim ter sido consideradas nos projetos da Usina de Fukushima.

Referências

http://pt.energia-nuclear.net/acidentes-nucleares/fukushima.html

http://www.eletronuclear.gov.br/Saibamais/Perguntasfrequentes/TemasgeraisoacidentenaCentraldeFukushima.aspx

http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2016-03/acidente-nuclear-de-fukushima-completa-5-anos-e-preocupa-ecologistas

Arquivado em: Química