Ácido lático

Por Mayara Lopes Cardoso
O ácido lático é um ácido orgânico de fórmula química C3H6O3, cor cristalina, sabor suave a ligeiramente salino, solúvel em água, descoberto pelo químico sueco Carl Wilhelm Scheele no século XVIII através de pesquisas com o leite talhado.

A produção de ácido lático se dá por meio da fermentação da lactose pela bactéria Streptococcus lactis. Industrialmente, é fabricado pela fermentação controlada de hexoses de leite, milho e melaço. Também pode ser obtido em laboratório através da reação química de etanal com uma solução de ácido sulfúrico e cianeto de sódio. Além do leite coalhado, encontra-se o ácido lático nos sucos de carne e em algumas partes do corpo de animais e plantas.

Devido à sua propriedade acidulante, o ácido lático é bastante utilizado pela indústria alimentícia e de bebidas na produção de cerveja, carnes curadas, fermentos químicos, queijos não curados, coolers, iogurtes, sorvetes, maionese, bombons, recheios, picles, produtos marinados, sucos artificiais, refrigerantes e conservas vegetais. O ácido lático é também conhecido pela sua propriedade umectante, propiciando à pele uma maior retenção de água, por isso é tão utilizado na indústria de cosméticos; e além de hidratar a pele, também atua como rejuvenescedor e clareador. Na Medicina, usa-se o ácido lático como antisséptico, o que se deve ao seu poder de inibir o crescimento de microrganismos patogênicos; e também no tratamento de problemas de pele como dermatoses, acnes, verrugas, hiperqueratoses, rugas e outros, pois é capaz de promover a elasticidade das fibras. Outros processos como o curtimento de couro, refino de óleo de soja, a fabricação de polímeros (termoplásticos, transparentes e biodegradáveis) e o tingimentos de tecidos muito dependem da participação do ácido lático.

O organismo humano, de outros animais e vegetais também produzem ácido lático em quantidades expressivas, durante a realização de exercícios físicos. A oxidação do ácido lático gera energia; células cardíacas e fibras musculares, por exemplo, utilizam esse ácido como fonte preferencial de energia (os músculos do cérebro, do coração, dos rins e do fígado não são capazes de desenvolver tal função). Quando há um abuso de atividade física, é comum haver um excesso de ácido lático, uma vez que ele é formado num ritmo muito mais rápido do que é eliminado do corpo, o que, por vezes, ocasiona muito cansaço e dores musculares. A excreção desse composto é dada pela urina e pelo suor e metade de todo o ácido lático acumulado durante a atividade física carece de 25 minutos de repouso para ser eliminado.

Referências
http://www.eq.ufrj.br/biose/nukleo/aulas/Microbiol/eqb353_aula_16.pdf
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/bioquimica/bioquimica4.php
http://www.gssi.com.br/artigo/26
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ácido_láctico