Bases Inorgânicas

Por Luiz Molina Luz
Definição (Segundo a Teoria de Arrhenius)

Bases são compostos que em solução aquosa se dissociam ionicamente, liberando como ânions exclusivamente íons hidroxila (OH- ).

Para Arrhenius, as bases (também chamadas de álcalis) seriam constituídas do grupo OH- e de um metal, sendo o NH4OH uma exceção, porque o cátion é um íon composto, não um metal.

Exemplos:

NaOH(s) → Na+ + OH-

Fe(OH)3(s) → Fe+ + 3 OH-

As bases de Arrhenius são substâncias iônicas. São fortes as bases que se dissociam quase totalmente em soluções diluídas. São fracas as que se dissociam parcialmente em soluções diluídas.

Verificou-se experimentalmente que todas as bases dos metais alcalinos e os hidróxidos de cálcio, estrôncio e bário, em soluções diluídas, comportam-se como bases fortes; são fracas todas outras bases, das quais apenas uma é solúvel: NH4OH.

Se as demais bases são insolúveis, como podem ser fracas? Acontece que não existem bases totalmente insolúveis, mas bases que se solubilizam muito pouco, como o Fe(OH)3.

Em relação aos conceitos de Arrhenius sobre ácidos e bases cabem algumas considerações importantes:

a) Arrhenius considerava que a água provocava o aparecimento dos íons. De fato, no caso dos ácidos, a água provoca o aparecimento dos íons, mas hoje se sabe que no caso das bases os íons já preexistem.

b) Um ácido de Arrhenius sempre reage com uma base de Arrhenius. Essa reação é chamada de neutralização, porque o H+ do ácido e neutralizado pelo OH- da base, ou vice-versa. Numa solução de HCl e NaOH, por exemplo, existem íons H+ , Cl- , Na+ e OH-. A forma correta de indicar a reação entre os íons é:

Na+ + OH- + H+ + Cl- → H2O + Na+ + Cl-

Os íons H+ e OH- juntam-se e formam água, mas os íons Na+ e Cl- continuam isolados em solução, porque o NaCl é solúvel e, portanto, se encontra dissociado. Assim sendo, numa reação em que um ácido forte neutraliza uma base forte, a reação que efetivamente ocorre é:

H+ + OH- → H2O

c) A reação de um ácido com uma base é também chamada de reação de salificação, e o motivo é evidente: resta um sal, que é recuperado pela evaporação da água. Simplificadamente podemos escrever:

NaOH + HCl → NaCl + H2O

d) Os conceitos de Arrhenius têm uma limitação muito séria: as substâncias só são consideradas ácidos ou bases em relação à água. Embora o mais importante, a água não é o único solvente de ácidos e bases.

Nomenclatura

Para podermos nomear uma base, devemos considerar os números de oxidação (NOX) de seus cátions. Temos duas possibilidades:

a) O cátion tem somente um número de oxidação. Nesse caso, usamos a expressão hidróxido de seguida do nome do cátion.

Exemplos:

NaOH → Hidróxido de Sódio

Mg(OH)2 → Hidróxido de magnésio

Al(OH)3 → Hidróxido de alumínio

b) O cátion tem dois números de oxidação. Nesse caso, procedemos da mesma maneira, mas acrescentamos o número de oxidação do cátion, em algarismos romanos.

Exemplos:

Fe(OH)2 → Hidróxido de ferro II

Fe(OH)3 → Hidróxido de ferro III

CuOH → Hidróxido de cobre I

Cu(OH)2 → Hidróxido de cobre II

Alternativamente, podemos usar, também, as terminações oso para o menor número de oxidação e ico para o maior. Para os mesmos exemplos acima, temos:

Fe(OH)2 → Hidróxido ferroso

Fe(OH)3 → Hidróxido férrico

CuOH → Hidróxido cuproso

Cu(OH)2 → Hidróxido cúprico

3 – Classificação das bases quanto ao número de hidroxilas

a) monobases: NaOH, NH4OH

b) dibases: Ca(OH)2, Mg(OH)2

c) tribases: Fe(OH)3, Cr(OH)3

d) tetrabases: Pb(OH)4, Sn(OH)4

As tribases, tetrabases, etc., são também chamadas polibases