Córnea

Por Débora Carvalho Meldau
A córnea trata-se de um disco transparente, circular que se localiza na região anterior do globo ocular dos vertebrados. Essa estrutura, em associação com a esclera, origina a túnica fibrosa do olho.

Dentre algumas características da córnea, estão o fato de não ser pigmentada, de ser avascular, de apresentar epitélio não queratinizado, de conter fibras nervosas amielínicas e de apresentar formato convexo que possibilita que a mesma desempenhe importantes funções ópticas.

Quando em corte transversal, é possível observar que a córnea divide-se em cinco regiões distintas:

  • Epitélio corneano anterior;
  • Membrana de Bowman;
  • Estroma;
  • Membrana de Descemet;
  • Epitélio posterior ou endotélio.

Epitelio Corneano Anterior

O epitélio corneano anterior é do tipo estratificado pavimentoso não queratinizado, composto por quatro a seis camadas celulares. Representa aproximadamente 10% da espessura total da córnea e possui alta capacidade regenerativa. Este epitélio apresenta diversas terminações nervosas livres, o que elucida o fato da córnea apresentar alta sensibilidade.

Dentro de sete dias as células do epitélio anterior são renovadas (período necessário para que ocorra a mitose). As células mais superficiais dessa camada da córnea apresentam microvilosidades mergulhados num fluído protetor que contém lipídios e glicoproteínas.

Observa-se nesta camada uma superfície lisa e brilhante, fato que certifica o seu poder refratário. Funciona como uma barreira que impede a perda de líquidos e a penetração de microrganismos.

Membrana de Bowman

A membrana de Bowman encontra-se abaixo do epitélio corneano anterior. Trata-se de uma membrana homogênea e relativamente espessa composta por finas fibras de colágeno e proteoglicanas organizadas em todas as direções. Constitui uma formação altamente resistente, que contribui no reforço da estrutura da córnea.

Estroma

O estroma é composto por variadas camadas de fibras colágenas orientadas paralelamente. Todavia, a direção dessa orientação muda de uma camada para a outra, compondo vários ângulos. É comum de ocorrer a passagem de algumas fibras de uma camada para a outra, mantendo as camadas firmemente unidas.

Entre as numerosas camadas de fibras colágenas estão os fibroblastos. O conjunto de células e fibras está mergulhado numa substância fundamental gelatinosa, constituída por glicoproteínas e condroitina sulfatada. Frequentemente também podem ser observados leucócitos, especialmente linfócitos, migrando no estroma corneano, que é avascular.

Membrana de Descemet

A membrana de Descemet possui de 5-10 µm de espessura, e é composta por fibrilas colágenas organizadas em uma rede tridimensional.

É conhecido que a formação desta camada ocorre aos quatro meses gestacionais, com formação completa de sua camada superior ao final da gestação.

Esta membrana recobre toda a superfície do estroma, apresentando uma camada anterior próximo ao estroma e uma camada posterior próxima ao endotélio.

Epitélio Posterior (Endotélio)

O endotélio posterior é do tipo pavimentoso simples e mede aproximadamente entre 4-6 mm em sua altura e 20 mm em seu comprimento.

Quando há perda das células endoteliais, as células remanescentes migram em direção à área lesionada, visando preencher o espaço que sofreu lesão, aumentando seu tamanho (polimegatismo) e também alterando a sua forma (pleomorfismo). Esses mecanismos são responsáveis pelo reparo endotelial, uma vez que a mitose das células endoteliais adultas é vagarosa e míngua.

É de extrema importância que haja a manutenção da integridade do endotélio corneano para que a córnea apresente-se transparente.

Leia também:

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Córnea
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27492006000500001

Ilustração: http://www.lasik.md/learnaboutlasik/prk.php

Histologia Básica – Luiz C. Junqueira e José Carneiro. Editora Guanabara Koogan S.A. (10° Ed), 2004.