Pelve

Graduação em Fisioterapia (Faculdade da Serra Gaúcha, FSG, 2014)

A pelve consiste em um grupo de estruturas ósseas que formam uma das estruturas mais importantes do corpo humano. Juntamente com o quadril, é a principal estrutura responsável pela sustentação de peso e locomoção, fazendo também a manutenção do equilíbrio e da manutenção na distribuição de cargas durante a movimentação e em situações onde o organismo permanece em posicionamento estático, afim de evitar compensações.

Cada um dos ossos que fazem parte da pelve possui algumas particularidades:

  • Ilíaco: caracteriza-se por ser um osso plano, chato, irregular, sendo este uma fusão de três estruturas ósseas (ílio, ísquio e púbis). Encontra-se bilateralmente no organismo. Esses ossos constituem o que se denomina como cíngulo pélvico.
  • Sacro: estrutura óssea terminal da coluna vertebral, possui formato piramidal quadrangular invertido, onde a base articula-se com a L5 e o ápice articula-se com o cóccix. Consiste na fusão de cinco vértebras. As faces se articulam lateralmente com o ilíaco, a face anterior apresenta as cristas transversais e a face posterior apresenta acidentes ósseos, sendo eles: crista sacral mediana, crista sacral lateral, crista sacral intermédia, forames sacrais, hiato sacral e cornos sacrais.
  • Cóccix: consiste na fusão de 3 a 5 vértebras, apresentando a base voltada para cima, onde se articula com o sacro e o ápice voltado para baixo. O cóccix possui estruturas como: cornos coccígeos, processos transversos rudimentares, processos articulares rudimentares e corpos.

Comparativo entre a pelve masculina e feminina. Ilustração: Double Brain / Shutterstock.com

A pelve ainda abriga órgãos importantes, como órgãos dos sistemas genitourinário e porções terminais do sistema gastrointestinal. A pelve se divide em pelve maior (cavidade abdominal, também considerada pelve falsa) e pelve menor (cavidade pélvica, também considerada pelve verdadeira). Essa estrutura possui mobilidade reduzida, exceto quando se trata de gestação. Porém, algumas particularidades podem ser observadas quando falamos em pelve masculina e pelve feminina, sendo elas:

  • A pelve feminina apresenta maior inclinação anterior;
  • Abertura da pelve masculina se caracteriza pelo formato oval;
  • Abertura da pelve feminina se caracteriza pelo formato arredondado;
  • A cavidade pélvica masculina apresenta-se afunilada, enquanto a cavidade pélvica feminina apresenta formato cilíndrico;
  • O ângulo subpúbico, onde une-se o ramo do ísquio e púbis bilateral, apresentam diferenças entre o gênero masculino (60º) e feminino (90º);

A pelve menor é constituída por paredes laterais que são revestidas pelos músculos obturador interno, piriforme e coccígeo. A fáscia muscular que recobre o músculo obturador interno acaba se condensando através de um espessamento fibroso que se denomina como arco tendíneo do elevador do ânus. A parede inferior da pelve é revestida pelo assoalho pélvico, que é composto pelos músculos coccígeo e elevador do ânus. Fixa-se aos músculos obturatórios internos, às espinhas isquiáticas e ao sacro. O músculo elevador do ânus comumente se divide em músculo pubococcígeo e iliococcígeo. Já o músculo pubococcígeo percorre o dorso do púbis e a porção mais anterior do arco tendíneo para trás em direção ao cóccix; as fibras mais anteriores e mediais se prendem à uretra, passam posterior à próstata/vagina e inserem-se no CTP (Centro Tendinoso do Períneo). Quando esses músculos se inserem na próstata/vagina, ele acaba se denominando como músculo elevador da próstata (homens) e músculo pubovaginal (mulheres). Já o músculo puborretal é responsável pelo ângulo de conexão anorretal, tendo como principal mecanismo a continência e relaxamento anal, facilitando o ato de defecar.

O períneo apresenta forma losangular, dividindo-se em duas partes: porção anterior (sistema urinário e genital) e porção posterior (canal anal). As porções se caracterizam a partir das seguintes estruturas:

  • Porção anterior (trato urogenital): composto pela membrana perineal (antigamente denominado diafragma urogenital);
  • Compartimento profundo: composto pelo músculo transverso profundo do períneo, CTP, esfíncter da uretra;
  • Compartimento superficial do períneo: composto pelo músculo transverso superficial do períneo, isquiocavernoso, bulboesponjoso;
  • Porção posterior (canal anal); composto pelo esfíncter externo do ânus;

Contudo, vale lembrar que a estrutura pélvica merece cuidados preventivos, para que se possa manter a saúde e bem-estar em sua integridade, sem que este prejudique em nenhum dos aspectos da vida diária.

Referências:

NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

TORTORA, Gerard J. Corpo Humano – Fundamentos de Anatomia e Fisiologia. Porto Alegre. 4ª ed. Artmed Editora. 2000.