Sapo Cururu

Foto: Bruno C. Barbosa

Sapo-cururu. Foto: Bruno C. Barbosa

O Sapo-cururu é da família Bufonidae, no Brasil é representada por sete gêneros, sendo Rhinella o mais representativo, com 40 espécies. É um anfíbio muito conhecido e comumente encontrado no Brasil. São animais de grande porte, possuem protuberância acima dos olhos até o focinho, uma grande glândula paratóide atrás de cada olho, ausência de dentes, membrana interdigital nas patas dianteiras, pele seca e rugosa.

Esse grupo de sapos tem a presença do órgão de Bidder, que consiste em ovários rudimentares presentes em machos utilizados para troca de sexo, apresentam dimorfismo sexual quanto à coloração e ao tamanho dos animais. As fêmeas são, em geral maiores. A coloração varia de acordo com a espécie mas dentro do espectro de marrom até amarelo-pardo.

Na reprodução, os machos coaxam para atrair a fêmea, abraçam-nas pela cintura, que depositam os ovos que são recobertos com esperma . Em cada postura uma fêmea coloca de 8.000 a 35.000 ovos. Podem ser encontrados em habitats terrestres, necessitando de pequenas recursos de água para reprodução. Ocupam áreas de plantações, florestas, árvores, lagos, jardins, áreas urbanas, canais e rios. Possuem hábitos noturnos, enquanto durante o dia permanecem escondidos sob rochas ou em buracos no solo de jardins, para protegerem-se da exposição direta à luz solar.

Por serem animais de grande porte (em relação à outros anfíbios) sua alimentação pode ser composta de pequenos vertebrados (aves e mamíferos), invertebrados (besouros, formigas, minhocas e centopeias) e até de vegetais, sendo uma das poucas espécies onívoras de sapos.

Quando ameaçado o animal exibe um comportamento típico dos sapos, inflando os pulmões, emitindo sons abafados característicos e inclinando o corpo em direção ao estímulo, de forma a deixar as bolsas de veneno em evidência.

Os Sapos-cururus tem bolsas de veneno chamadas de glândula paratóide, entretanto a maioria dos jatos de veneno são involuntários, decorrentes do ato do animal perturbador apoiar o peso do corpo em uma das glândulas. Os jatos, que chegam a alcançar a distância de até dois metros, atingem muitas vezes a altura do peito de um humano. Embora o rosto pareça ser o alvo do veneno, muitos dos jatos não atingem o agressor. Quanto ao veneno, viscoso e bastante amarelado, sente-se um odor característico, muito semelhante ao cheiro liberado por plantas. Quando contidos manualmente, os animais permanecem com os pulmões inflados e podem continuar a esguichar veneno, como também, apenas secretá-lo na superfície da parotóide.

Referências:
FONTANA P. L. M 2012 Dissertação de Mestrado do Instituto Butantan :Estudo morfológico comparativo do sistema de defesa química cutânea em duas espécies de sapos amazônicos (Rhinella marina e Rhaebo guttatus)

LIMA, A., W.E. MAGNUSSON, M. MENIN, L.K. ERDTMANN, D.J. RODRIGUES, C. KELLER E W. HÖDL. 2006. Guia de Sapos da Reserva Adolpho Ducke, Amazônia Central – Guide to the Frogs of Reserva Adolpho Ducke, Central Amazonia. Áttema Design Editorial, Manaus. 168 p., il.

Arquivado em: Anfíbios