Cefalópodes

Cefalópodes são animais que tem os pés (podes) na cabeça (cefalo). Polvos e lulas fazem parte dessa classe (Cephalopoda) de moluscos. Todos os animais dessa classe são predadores marinhos.

Polvo é um dos cefalópodes mais conhecidos. Foto: Kondratuk Aleksei / Shutterstock.com

Conchas

Os cefalópodes não têm conchas, com exceção das lulas que têm conchas internas chamadas pena e os Nautilus que possuem concha externa. A concha deste último animal é composta por diversas câmaras de gás deixando o animal leve para flutuar. Essas câmaras são conectadas por uma corda tecidual chamada sifúnculo.

Locomoção

Diferentemente dos animais das outras classes que se locomovem pelos pés musculares, os cefalópodes se movem expelindo água por um funil ou pelo sifão.

Sistema respiratório

Os animais cefalópodes fazem a troca gasosa por meio de duas brânquias sem cílios. A água, nesse caso é impulsionada por músculos da parede da cavidade do manto.

Sistema circulatório

O sistema circulatório nos cefalópodes é fechado em vasos e capilares. E têm a presença de pequenos corações acessórios para ajudar no bombeamento do sangue para que chegue suficientemente às brânquias

Sistema nervoso

O encéfalo dos cefalópodes é o maior dentre os invertebrados. As lulas, por exemplo, têm uma grande fibra de nervos. Os olhos são muito bem desenvolvidos com córnea, retina, lentes e nervo ótico. Eles têm muitos órgãos táticos que reconhecem formas e texturas. Estudos mostram que alguns cefalópodes como os polvos tem a habilidade de aprender comportamentos por observações e por recompensa. Porém há fortes indícios que cefalópodes não tem audição.

Comunicação

Cefalópodes se comunicam através das cores de seus corpos (células chamadas cromatóforos), que podem mudar de cor para afugentar predadores ou atrair presas e indivíduos do sexo oposto. Essa mudança de cor acontece quando os músculos esticam as células e por causa disso os pigmentos se espalham. Além disso há comunicação por contato físico, visão (movimentos), quimiorreceptores e liberação de tinta escura.

Reprodução

Cefalópodes são dioicos, ou seja, órgãos sexuais masculinos e femininos são encontrados em indivíduos diferentes. Um dos braços do macho é modificado para um órgão sexual para introduzir os espermatozoides na fêmea. Esse órgão passa a ser chamado de hectocólito. O hectocólito introduz os espematozóides na cavidade do manto da fêmea perto da abertura do oviduto. Portanto, a fecundação dos cefalópodes é interna. O desenvolvimento é direto, ou seja, não tem estágio larval.

Lula. Foto: Konstantin Novikov / Shutterstock.com

Sistemática

Existem somente duas subclasses de cefalópodes, Nautiloidea e Coleoidea. Em Nautiloidea há somente cinco espécies do gênero Nautilus. Eles têm dois pares de brânquias, de 60 a 90 tentáculos com secreções adesivas, já que não tem ventosas. Coleoidea são as lulas, polvos e sépias. Os animais têm oito braços e dois tentáculos com ventosas e tem bico córneos para segurar as presas.

Referência:

Hickman, Princípios integrados de zoologia 14 edição, 2008 – Páginas 353 a 357

Arquivado em: Cefalópodes, Moluscos