Arte contemporânea

Mestre em Artes Visuais (UDESC, 2010)
Graduada em Licenciatura em Desenho e Plástica (UFSM, 2008)

O século XX foi marcado por intensas e significativas transformações na arte, especialmente, referente as Artes Visuais. Já no início desse século as Artes Visuais sofreram grandes rupturas estéticas, desvencilhando-se dos padrões artísticos vigentes a séculos.

A Arte Contemporânea é uma tendência artística que começou a se manifestar no período Pós-Guerra como uma ação de separação com a Arte Moderna. Embora não haja consenso entre os historiadores e críticos de arte acerca do princípio da Arte Contemporânea, considera-se que ela ficou mais evidente e ganhou mais espaço na segunda metade do século XX, estendendo-se até os dias atuais.

A segunda metade do século XX foi caracterizada pelo grande avanço tecnológico e científico, um bom exemplo disso foram os progressos decorrentes da corrida espacial. Se a velocidade e movimento das máquinas impulsionaram os artistas modernos, a corrida espacial e os avanços nas áreas da informática abriram caminho a percepção dos artistas contemporâneos que passaram a adicioná-los em suas obras. É possível citar como forma de expressão nesse cenário a vídeoarte que usa a tecnologia do vídeo, geralmente associado a outras linguagens e mídias para criação de obras de Artes Visuais.

Nesse período tornou-se recorrente a utilização elos artistas de variadas linguagens e técnicas para confecção de suas obras, por meio da constante experimentação estéticas. Em vista disso, é quase impossível pensar a arte por categorias distintas como pintura, escultura ou desenho, colocando em questão o valor da arte e o próprio conceito de arte. Em nenhum outro período da história os artistas tiveram tanta liberdade criadora.

Assim, o artista tem liberdade total para expressar-se seja tecnicamente ou conceitualmente, pois não tem mais compromissos institucionais com a igreja ou a política, assim como acontecia em épocas anteriores como o Renascimento por exemplo. Muito embora, na arte Moderna era inconcebível o artista pintar como no período do Renascimento, tecnicamente falando, na Arte Contemporânea a liberdade de criação é tamanha a ponto de o artista transitar entre os diferentes períodos. O Happening, a Performance, a Instalação, a Arte Conceitual, o Minimalismo, a Body Art, a Op Art, a Pop Art e a Art Street, são manifestações da Arte Contemporânea, ou seja, a constituem. Artistas como Andy Warhol e Roy Lichienstein são destaques nesse cenário nas décadas de 60 e 70.

É possível identificar algumas características evidentes na Arte Contemporânea como a efemeridade da obra, o abandono dos suportes tradicionais, a mescla de estilos, a interação do espectador com a obra ou a aproximação com a cultura popular entre outros.

Na arte Contemporânea a obra já não é o objeto em si mas funde-se com o processo criativo. Intervenções artísticas como a Land Art onde o ambiente é trabalhado pelo artista a de forma integrar-se a obra, Happening, performances e instalações são orientações frequentes na Arte Contemporânea destacando artistas como Christo, Eva Hesse, Marina Abramovic entre outros. Já no brasil é possível destacar os seguintes artistas: Hélio Oiticica, Lygia Clarck, Lygia Pape, Almícar Castro, Cildo Meireles entre outros.

As Bienais Internacionais de São Paulo, grandes exposições que reúnem artistas de todo mundo, ajudam a colocar em destaque o que está sendo produzido nesse âmbito.

Referencias:

ARTE Contemporânea. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo354/arte-contemporanea . Acesso em: 07 de Abr. 2018.

CHILVERS, Ian (org.). Dicionário Oxford de arte. Tradução Marcelo Brandão Cipolla. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

COCHIARALE, Fernando. Quem tem medo de arte contemporânea. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2006.

Arquivado em: Artes