Fernando Sabino

Mestra em Literatura e Crítica Literária (PUC-SP, 2012)
Graduada em Letras (PUC-SP, 2008)

Publicado em 05/01/2019

Fernando Sabino nasce no dia 12 de outubro de 1923, na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. Sua mãe, Odete Tavares, o ensina a ler e escrever e em 1930 ele ingressa na escola. Assim como muitos poetas brasileiros, ele também foi um escritor precoce publicando, adolescente, o seu primeiro conto policial na revista Argus.

Estimulado pela família e com muito empenho pessoal, Fernando Sabino ganha inúmeros concursos de crônicas e contos, com destaque para o concurso da revista Boa Nova que tinha em sua banca julgadora o também escritor mineiro Carlos Drummond de Andrade.

Muito dedicado, não demorou para que o escritor contribuísse com textos para grandes revistas e jornais. Aos 15 anos era colaborador da revista Mensagem e editor do jornal Folha de Minas e também escrevia para a revista Clima (SP), dirigida pelo grande crítico literário Antonio Cândido.

Em 1941, Fernando Sabino inicia o curso superior na Faculdade de Direito de Minas Gerais. No mesmo ano ele faz uma coletânea dos seus contos e publica sob o título Os Grilos não Cantam Mais e segue sendo colaborador e editor (Dom Casmurro, Vamos Ler, Anuário Brasileiro de Literatura).

No ano de 1942, trabalha na Secretaria de Finanças de Minas Gerais e dá aulas de Língua Portuguesa no Instituto Padre Machado. Estagia, por três meses, no Quartel de Cavalaria de Juiz de Fora, sua experiência pessoal rende episódios cômicos para o livro O Grande Mentecapto.

Entre o final da década de 1940 e durante as décadas seguintes, Fernando Sabino vê sua carreira se consolidar a partir da sua vasta produção, que consegue conjugar a realidade obscura da vida e o humor escondido por trás dela. A comicidade peculiar do escritor permite que ele aborde a metafísica misteriosa e caótica que compõe o mundo com mais leveza e, portanto, o conjunto da sua obra nos presenteia com uma desconstrução progressiva da realidade por meio do riso.

O auge da estreia literária de Fernando Sabino é quando ele recebe uma carta do escritor modernista Mário de Andrade. Após a primeira troca de correspondências, começa a se configurar uma amizade fiel e duradoura, interrompida pelo falecimento de Mário. Por meio das cartas, Fernando pedia conselhos literários ao amigo modernista e eles discorriam sobre estilo, o processo de escrita, engajamento da arte ou arte pela arte, dentre outros, até chegarem ao ponto de discutir questões pessoais.

Obras (algumas):

  • O Encontro Marcado, 1956.
  • O Homem Nu, 1960.
  • A mulher do vizinho, 1962 – Prêmio Chinaglia do Pen Club do Brasil.
  • O Grande Mentecapto, 1979 – Prêmio Jabuti.
  • O Grande Mentecapto (filme), 1989 – ganha o Festival Internacional de Gramado.

Referências:

COSTA, Suzana Barbosa. Encontro Marcado com a Crônica no Romance de Fernando Sabino, 2007. 120 f. Dissertação (Mestrado em Literatura e Crítica Literária). PUC-SP, São Paulo, 2007.

CULTURAL, Itaú. Enciclopédia. Fernando Sabino. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa1617/fernando-sabino>. Acesso em: 18 dez. 2018.

Arquivado em: Biografias, Escritores