Papa Aniceto

Mestrado em História (UFJF, 2013)
Graduação em História (UFJF, 2010)

Aniceto foi o décimo-primeiro papa da história da Igreja Católica.

Nascido na Síria no ano 110, acredita-se que Aniceto tenha sido proveniente da cidade Emesa, que hoje é identificada pelo nome Hims. Devoto em toda sua vida, fez parte do grupo de cristãos comumente chamados de primitivos, ou seja, aqueles que viveram e compartilharam hábitos do tempo de Jesus Cristo. Esses cristãos, dos dois primeiros séculos após seu profeta, eram membros de uma Igreja pequena e fortemente reprimida pelos pagãos romanos. Enfrentaram muitas condições desfavoráveis para manter o trono de São Pedro. Com o falecimento do Papa Pio I, Aniceto tornou-se o líder, em 155, dessa comunidade religiosa que, apesar das dificuldades, crescia.

O Papa Aniceto foi o primeiro Sumo Pontífice a fazer uma condenação pelo crime de heresia. Em seu papado, o montanhismo foi oficialmente condenado como herético. O montanhismo era um movimento cristão fundado por Montano nos anos 156-157. Ele foi organizado e difundido entre várias comunidades que se espalhavam pela Ásia Menor, o Norte da África e na própria Roma. O movimento era como uma volta ao profetismo para valorizar elementos esquecidos da mensagem cristã primitiva, com atenção especial para a esperança escatológica. Era dotado de vários dogmas, como a castidade durante o casamento, a proibição das segundas núpcias, o jejum durante duas semanas do ano, o consumo de alimentos secos, o não consumo de carne, a não absolvição de pecadores e o oferecimento voluntário ao martírio.

Mas não apenas o montanhismo foi condenado pelo Papa Aniceto, o gnosticismo também o foi. Esta era uma doutrina que pregava o racionalismo cristão, com uma supervalorização do conhecimento, o qual seria o suficiente para a salvação. Esse racionalismo incomodava muito à Igreja e seus preceitos. Assim, o gnosticismo foi fortemente perseguido e imediatamente condenado pelo papado. Por sinal, o Sumo Pontífice em questão dedicou-se muito a proibições. Além das condenações das doutrinas consideradas heréticas pelo líder da Igreja e seus cardeais, Aniceto determinou que os padres estavam proibidos de deixar o cabelo crescer para não ser motivo de vaidade.

Um fato marcante do papado de Aniceto para todo o ritual católico envolveu algumas resoluções sobre a Páscoa. Durante seu pontificado, o papa recebeu Policarpo em Roma para discutirem a controvérsia da Páscoa. O problema, que atormentava os cristãos e a unidade da Igreja na época, envolvia um conjunto de controvérsias sobre a data apropriada para a celebração cristã da Páscoa. Naquele momento, os cristãos preocupavam-se com a dúvida sobre seguir ou não as práticas do Antigo Testamento. Eles chegaram ao entendimento de terminar o jejum no dia considerado de ressureição de Jesus. No entanto, controvérsias sobre a Páscoa existem até hoje e ainda não foram plenamente solucionadas.

O Papa Aniceto liderou a Igreja Católica por 11 anos e faleceu em 166, aos 56 anos de idade. Acredita-se que tenha sido martirizado, pois era um fim comum entre os líderes cristãos daquele tempo. Mas não há evidências que comprovem o fato. Também não há consenso sobre o dia exato de sua morte. Todavia é venerado como santo e seu dia de celebração é 17 de abril. Seu sucessor foi o Papa Sotero.

Fontes:
DUFFY, Eamon. Santos e Pecadores: história dos Papas. São Paulo: Cosac & Naify, 1998.
FISCHER-WOLLPERT, Rudolf. Os Papas e o Papado. Petrópolis: Editora Vozes.
THOMAS, P. C. A Compact History of the Popes. St Paulos BYB, 2007.

Arquivado em: Biografias