Xenofonte

Doutorado em andamento em Filosofia (UERJ, 2018)
Mestre em Filosofia (UERJ, 2017)
Graduado em Filosofia (UERJ, 2015)

Xenofonte (aproximadamente 430 – 350 a.C.) foi um soldado e historiador grego, autor de diversos diálogos socráticos, além de importantes obras sobre história, educação e teoria política. Tendo sido discípulo de Sócrates, era profundamente interessado em filosofia e sua visão da moralidade e da sociedade foi de grande influência por muitos séculos. Sua perspectiva a respeito da moral e do caráter de Sócrates é uma contribuição valiosa e até mesmo oferece correções àquelas mais conhecidas apresentadas por Platão. Nasceu em Atenas, filho de uma família abastada, e conviveu com Sócrates até em torno do ano 401 a.C.

Estátua de Xenofonte em frente ao parlamento austríaco, em Viena. Foto: sianstock / Shutterstock.com

Após deixar Sócrates, Xenofonte juntou-se aos mercenários gregos que tornaram-se aliados de Ciro, o jovem, príncipe da Pérsia, que buscou sua ajuda a fim de, por meio de um golpe de estado, destituir seu irmão e rei Artaxerxes II. Após serem derrotados na batalha de Cunaxa (-401 a.C.), Xenofonte liderou a retirada dos mercenários gregos, tendo sido bem sucedido nesta tarefa. Posteriormente foi para a Ásia e encontrou-se com Agesilau, rei de Esparta, de quem se tornou amigo e a quem cedeu os soldados e mercenários de Ciro. Por tornar-se aliado de Esparta, foi banido de Atenas, pois as duas cidades possuíam interesses opostos. Recebeu então, da parte dos espartanos, o ofício de proxeno ou a proxenia, palavra que significa, literalmente, “amigo do estrangeiro”. O proxeno era uma espécie de embaixador, que residia em uma cidade estrangeira e que possuía poder legal para atender às necessidades dos visitantes de sua cidade natal. Foi, então, viver com sua família em uma pequena cidade chamada Élida, próxima a Esparta.

Foi, durante os vinte anos seguintes, um proprietário rural, abastado e de vida tranquila. Foi nesse período que escreveu a maior parte de suas obras. Entretanto, devido à derrota dos espartanos em sua guerra contra os exércitos de Tebas liderados por Epaminondas (Aproximadamente 418 – 462 a.C.) na chamada Batalha de Leuctras, Xenofonte teve de fugir e refugiou-se na cidade de Corinto. Seu exílio foi revogado quando houve a aliança entre Atenas e Esparta. Mas, aparentemente, ele não voltou mais para sua cidade natal. Aparentemente, a última referência de sua vida a que se tem acesso diz respeito a sua última obra, que teria sido escrita em torno do ano de 355 a.C. Entretanto, Diógenes Laércio afirma, em sua obra Vida e doutrina dos filósofos ilustres, que Xenofonte morreu em Corinto, por volta do ano de 360 a.C.

Foi um excelente caçador e cavaleiro, habilidoso em táticas de guerra, bastante piedoso e fiel às práticas religiosas de seu tempo. Buscou tornar sua vida semelhante à de Sócrates.

Xenofonte foi um dos maiores escritores e de estilo mais excelente da língua grega, de modo a ser denominado de Musa Ática (região que engloba a cidade de Atenas). Escreveu em torno de quarenta obras, que foram divididas em livros de diversas formas. As obras históricas: Anábase, Helênicas, A educação de Ciro e Agesilau; as obras socráticas: Memoráveis de Sócrates (ou Socrates Memorabilia), Econômico, Apologia de Sócrates e O banquete; obas menores: O comandante da cavalaria, Hieron, A constituição dos Lacedemônios (antigo nome dos espartanos), Da equitação e As rendas.

O estilo de escrita de Xenofonte estava intimamente ligado com a sua própria experiência de vida e com a sua visão pessoal dos fatos, de modo a apresentar problemas em suas obras históricas. Era um homem de ação e e possuía uma concepção aristocrática e antidemocrática da vida, de modo a estar bastante aproximado das ideias espartanas. Mas, devido a sua herança ateniense, necessitava argumentar e apresentar as razões de suas ideias e atos.

Referências:

DIÓGENES LAERTIUS. Lives of the Eminent Philosophers. Translated by Pamela Mensch and Edited by James Miller. New York: Oxford University Press, 2018.

GRÆCIA ANTIQUA. Xenofonte de Atenas. Disponível em: http://greciantiga.org/arquivo.asp?num=0348#notae. Acesso em: 12 de dez. 2019.

INFOPÉDIA. Batalha de Leuctra. Disponível em: https://www.infopedia.pt/$batalha-de-leuctra. Acesso em: 12 de dez. 2019.

Arquivado em: Biografias, Filósofos