Imunidade de rebanho

Mestre em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas (FIOCRUZ, 2011)
Graduada em Biologia (UGF-RJ, 1993)

O termo imunidade (do latim immunitas) indica a capacidade do organismo de resistir a um agente invasor. O sistema imunológico é o mecanismo de defesa do corpo, que o protege de doenças e infecções. A sua função é atacar substâncias estranhas ao corpo, como fungos, bactérias, parasitos, vírus, etc., eliminando-as do organismo. Imunidade inata é a que está presente ao nascer. Não tem memória e não é específica para nenhuma substância. Imunidade adaptativa é aquela que o organismo adquire ao longo da vida. Possui memória e é específica para cada substância que o organismo entra em contato.

A imunidade de rebanho também é conhecida como imunidade de grupo ou imunidade coletiva. É um efeito de proteção que surge em uma população em que há uma alta porcentagem de indivíduos que estão imunes, mesmo que temporariamente contra uma determinada doença. Essa imunidade pode ocorrer pela vacinação ou por terem adquirido a doença. Faz referência aos benefícios da vacinação às pessoas que não tomaram determinada vacina.

Diagrama ilustra a imunidade de rebanho. Em azul, as pessoas não imunizadas, em vermelho, as contaminadas. As de amarelo são as pessoas já imunizadas (por vacina ou por terem se curado da doença). Quanto mais indivíduos imunizados, mais difícil é a transmissão indireta (por meio de outra pessoa) entre uma pessoa contaminada e outra não imunizada. Ilustração: Steven McDowell / Shutterstock.com

A parcela da população que recebeu a vacina se torna vetor do agente infeccioso. A transmissão ocorre preferencialmente por via oral. Como a vacina é produzida com microrganismos atenuados, a resposta imunológica é mais rápida e eficaz. Isso reduz o número de doentes e a chance de transmissão do agente patogênico. Com a ausência de transmissão, a doença não se manifesta.

Beneficia toda a população, mesmo aquela parcela que por diversos motivos não se vacinou. Assim, a idade média do primeiro contato com o agente infeccioso aumenta nas populações que possuem uma maior cobertura vacinal, favorecendo o controle da doença. Com a maior cobertura vacinal, a doença se manifestará mais na idade adulta, fase em que o sistema imunológico está mais capacitado para oferecer uma resposta imunológica adequada. Por outro lado, pode ocorrer um pequeno aumento de epidemias nessa faixa etária.

Imunidade de rebanho e a COVID-19

Muito tem se falado sobre os efeitos deste tipo de imunidade na pandemia da covid-19. Um dos grandes desafios no conhecimento da doença é a questão da imunidade. Existem muitas lacunas nesse aspecto, mas o que se sabe é que a imunidade de quem já teve a COVID-19 é temporária. Ou seja, a imunidade não é duradoura e ter contraído a doença não isenta ninguém de contrair o vírus novamente.

Há um consenso de que em cidades que houve uma grande quantidade de infectados, a circulação do vírus diminuiu, pois, não há pessoas, no momento, susceptíveis a adquirir a doença. Outro fator que auxilia na diminuição da transmissão do coronavírus são o uso da máscara, o distanciamento social e as outras medidas de prevenção. Caso haja o retorno para a vida antes da pandemia, a circulação do vírus aumentará novamente. Portanto, para que ocorra uma imunidade de rebanho propriamente dita, é necessário a vacinação em massa, pois, em relação ao tamanho da população poucas pessoas pegaram o vírus. Não há um consenso sobre qual o percentual de cobertura para se entender uma imunidade de rebanho. Estima-se que esse valor fique em torno de 60 ou 70%. Para que se chegue a esse percentual, a quantidade de indivíduos contaminados deve ser muito maior, pondo em risco toda a população.

Deve-se, portanto, procurar uma vacina que posso imunizar uma parcela bem grande da população. Além dos indivíduos que não podem receber a vacina por diversos motivos (imunossuprimidos, grávidas, alérgicos) existem os simpatizantes do movimento antivacina, que não fazem uso da vacinação como medida para prevenir doenças.

Bibliografia:

Covid: imunidade de rebanho pode durar poucos meses, diz estudo da USP. Disponível em: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/agencia-estado/2020/09/23/covid-imunidade-de-rebanho-pode-durar-poucos-meses-diz-estudo-da-usp.htm Acessado em: 09/11/2020.

Imunidade. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Imunidade Acessado em: 08/11/2020.

Imunidade de grupo. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Imunidade_de_grupo Acessado em: 08/11/2020.

O que é imunidade de rebanho. Disponível em: https://coronavirus.butantan.gov.br/ultimas-noticias/o-que-e-imunidade-de-rebanho Acessado em: 08/11/2020.

O que é imunidade de rebanho e quais as implicações? Disponível em: https://jornal.usp.br/artigos/o-que-e-imunidade-de-rebanho-e-quais-as-implicacoes/https://jornal.usp.br/artigos/o-que-e-imunidade-de-rebanho-e-quais-as-implicacoes/ Acessado em: 09/11/2020.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.