Meroplâncton

Mestre em Ciências Biológicas (UFF, 2016)
Graduada em Biologia (UNIRIO, 2014)

Formado por organismos que permanecem no plâncton apenas durante a fase inicial de seu ciclo de vida, o Meroplâncton, também denominado ‘plâncton temporário’, é caracterizado por ovos e larvas de vertebrados e invertebrados, e auxilia na dispersão das espécies e colonização de novos ambientes. Já os seres que ficam todo o ciclo de vida no plâncton são classificados no Holoplancton.

Lagostas, polvos, peixes e ouriços do mar, são apenas alguns exemplos de animais aquáticos que apresentam um ciclo de vida complexo, que se inicia com uma fase planctônica. Estes animais (e muitas outras espécies) compõem o plâncton durante o estágio inicial de seus ciclos de vida, podendo apresentar forma de larva ou ovo. As cracas, espécie de crustáceo marinho séssil, representam um exemplo deste padrão: novos indivíduos são introduzidos à população aquática em fase larval, permanecendo como parte do zooplâncton até a detecção de um lugar propício para o assentamento. Após este processo, estes animais enterram sua cabeça no sedimento, e passam a construir uma concha ao redor de seus corpos, tornando-se sésseis. Desta forma, o meroplâncton constitui, basicamente, a forma móvel de diversas espécies de organismos aquáticos.

A duração da fase meroplanctônica pode variar de minutos a anos de vida. As estrelas do mar apresentam entre 40-50 dias de vida planctônica, enquanto algumas espécies de peixe permanecem como componentes do meroplâncton por até 30 dias. Durante este período, tais organismos podem alimentar-se de outras formas planctônicas (i.e. heterotróficos), assim como das reservas energéticas presentes nos ovos previamente à sua eclosão (i.e. vitelo).

Referências bibliográficas:

Australian Museum. https://australianmuseum.net.au/meroplankton

Catalina Island Marine Institute. http://cimioutdoored.org/meroplankton-vs-holoplankton/

Fontes, J.; Santos, R. S.; Afonso, P.; Caselle, J. E. (2011). Larval growth, size, stage duration and recruitment success of a temperate reef fish. Journal of Sea Research, 65(1), 1-7.

Paik, S. G.; Park, H. S.; Yi, S. K.; Yun, S. G. (2005). Developmental duration and morphology of the sea star Asterias amurensis, in Tongyeong, Korea. Ocean Science Journal, 40(3), 65-70.

UNTAMED Science. http://www.untamedscience.com/biology/ecology/ecology-articles/what-is-plankton/

Arquivado em: Biologia Marinha