Peixes

Sempre abrir.

Peixes são vertebrados que dominam os ambientes aquáticos, desde poças de água até águas congeladas nos polos. Atualmente existem mais de 55 mil espécies que vivem distribuídos por todo o planeta e que podem medir somente poucos milímetros até muitos metros. Em sua maioria os peixes têm formato de torpedo (ou um avião), nadadeiras e o corpo coberto por escamas.

Os peixes conseguem viver em diversos habitats, sendo alguns deles bem inusitados. Por exemplo, existem peixes que vivem a mais de 8 mil metros de profundidade e outros que vivem na cadeia de montanhas do Himalaia a mais de 5 mil metros de altitude. Alguns vivem em nascentes no meio do deserto entre o México e os Estados Unidos, outros em cavernas ou em vulcões submarinos de águas quentes. Tem os que nadam próximo a superfície como o atum e são chamados de pelágicos; os que vivem onde a luz é fraca são conhecidos como mesopelágicos como alguns peixes lanternas; os peixes bentônicos são os que vivem próximo ao chão dos oceanos assim como o peixe tripé.

Um dos motivos que fizeram os peixes ter esse grande sucesso e se distribuírem por todo o mundo são as estratégias de reprodução. A maioria dos peixes tem fecundação externa, e liberam os ovos no ambiente para que eles acabem de se desenvolver e nasçam e são conhecidos como ovíparos. Alguns bagres e os cavalos marinhos mantém esses ovos protegidos na boca e em uma bolsa, respectivamente.

Cavalo-marinho. Foto: Studio 37 / Shutterstock.com

Alguns peixes têm fecundação interna como os tubarões e raias. Uma parte são ovíparos; mas também existem os vivíparos que mantém os filhotes dentro do útero até o momento de dar à luz, assim como os mamíferos; uma outra parte deles carregam os ovos, com os filhotes dentro, no útero sendo conhecidos como ovovivíparos. Alguns peixes vivem reclusos a pequenas lagoas e se reproduzem anualmente, outros viajam quilômetros pelos oceanos para se reproduzirem em regiões específicas; uns passam sua vida adulta no mar e vão se reproduzir em águas doces e outros fazem o contrário, passam a vida em água doce (anádromos) e vão se reproduzir em águas salgadas (catádromos).

Raia-comum. Foto: Benoit Daoust / Shutterstock.com

Classificação

Os peixes podem ser classificados com base na estrutura corporal. Os peixes com estrutura mais básica são as lampreias e feiticeiras que grudam em indivíduos maiores e sugam o sangue. Elas têm o corpo cilíndrico e alongado, como das enguias, não têm escamas e a boca é circular com várias camadas de dentes que as ajudam a se fixarem nas presas.

Os tubarões e as raias ficam em segundo lugar na classificação da estrutura corporal. Ao invés de um esqueleto de ossos, eles têm esqueleto de cartilagem e sua pele tem aspecto de lixa devido à disposição das pequenas escamas que cobrem seus corpos. A maioria preda animais grandes, mas o tubarão baleia e tubarão frade se alimentam dos minúsculos plânctons. O terceiro na classificação é o grupo dos peixes pulmonados. Eles têm esse nome, pois tem uma estrutura que lembra o nosso pulmão e por isso conseguem usar o oxigênio do ar quando precisam de muita energia ou quando o ambiente seca. O quarto grupo inclui os esturjões, peixe que produzem o caviar. Eles têm uma parte do corpo com cartilagem e escamas largas. O quinto e último nessa classificação são os peixes ósseos que compreendem 96% de todos os peixes existentes. Como o nome sugere, eles têm o esqueleto composto por osso. Eles têm uma grande biodiversidade e variação nas cores, formato do corpo, das escamas e muito mais.

Bibliografia:

Bone e Moore - Biologia dos peixes, 3ª edição
Helfamn et al - A diversidade dos peixes - 2ª edição

Arquivado em: Cordados, Peixes