Câncer de bexiga

Graduação em Biologia (CUFSA, 2010)
Especialização/MBA em Análises Clínicas (Uninove, 2012)

O câncer de bexiga, também chamado de câncer urotelial, é um tipo de câncer comum que acomete três vezes mais homens do que mulheres, acima de 55 anos de idade, em geral entre os 60 e 70 anos com maior incidência na raça branca.

Geralmente o câncer tem início na mucosa da bexiga, que é o revestimento interno do órgão, denominado urotélio, que é ligado superiormente pelos ureteres e inferiormente pela uretra, que elimina a urina para o meio externo.

A bexiga é um órgão muscular oco, elástico, situado na pelve e basicamente a sua função é armazenar a urina produzida pelos rins, até que seja eliminada por contração da sua musculatura.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), existem três tipos de câncer que se iniciam nas células uroteliais, que revestem a bexiga e a classificação ocorre de acordo com as células que sofrem a alteração maligna, são elas:

  • Carcinoma de células de transição, que representa a maioria dos casos e começa nas células do tecido mais interno da bexiga;
  • Carcinoma de células escamosas, que afetam as células delgadas e planas e podem surgir na bexiga depois de infecção ou irritação prolongada
  • Adenocarcinoma, com início nas células glandulares (de secreção) que podem se formar na bexiga depois de um longo tempo de irritação ou inflamação.

O principal fator de risco para o desenvolvimento desse câncer é o tabagismo, estima-se que 80% dos pacientes com câncer de bexiga são fumantes. Existem ainda outros fatores como o uso de quimioterápicos para o tratamento de algum outro tipo de câncer e o uso de sondas crônico, que predispõe ao câncer de bexiga.

Sintomas

A presença de sangue na urina (hematúria) costuma ser o primeiro sintoma para o diagnóstico, mas existem também outras manifestações comuns como ardência e aumento na frequência urinaria. Já em casos mais avançados podem surgir também dor pélvica, perda de peso, entre outros sintomas. Vale ressaltar que a presença de urina no sangue pode estar associada a infecções ou outras condições sem ser o câncer, o diagnóstico deve ser realizado por um profissional especializado.

Diagnóstico

A principal forma de diagnosticar a doença é através de um exame denominado citoscopia, que é uma endoscopia da bexiga, onde uma micro câmera é colocada pela uretra e assim é realizada a investigação interna do órgão e o exame possibilita ainda a retirada de fragmentos para realizar a biopsia e fazer a análise histológica do tumor. É possível inclusive remover o tumor através da citoscopia.

O diagnóstico é realizado pelo médico especialista que solicita exames específicos incluindo a citoscopia, além de outros exames como ultrassom e a análise de urina padrão, para verificar a presença de algum tipo de infecção associada.

Tratamento

O tratamento pode ser feito pela própria citoscopia, onde pode ser realizada a ressecção do tumor em casos iniciais. Já em casos mais agressivos e avançados pode ser indicada a cirurgia para retirada da bexiga e tratamentos como quimioterapia e radioterapia podem ser aplicados. O médico especialista irá escolher o melhor tratamento de acordo com cada paciente, pois isso depende de vários fatores. Em casos de metástase a quimioterapia é indicada.

Prevenção

Como foi dito, o tabagismo é o principal fator de risco para o desenvolvimento do câncer de bexiga, então a interrupção da pratica é umas das melhores formas de prevenir o câncer. Uma dieta rica e diversificada também auxilia na prevenção da doença. Pessoas acima de 40 anos, tabagistas, que apresentam sangue na urina devem procurar o médico.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Câncer