Síndrome Neuroléptica Maligna

A síndrome neuroléptica maligna, também conhecida como síndrome maligna dos neuropeptídeos, ou ainda, síndrome da deficiência aguda de dopamina, trata-se de um efeito adverso severo dos fármacos neurolépticos.

Este transtorno foi descrito pela primeira vez no ano de 1960, por Delay e colaboradores, na França e, em 1968, na literatura inglesa, por Delay e Deniker. Consiste em uma reação idiossincrática a agentes neurolépticos, antidepressivos, bem como outras drogas antipsicóticas, que provavelmente está relacionado ao bloqueio dos receptores dopaminérgicos nos gânglios da base, sendo que o agente causal mais frequente é o haloperidol.

Têm sido descritos fatores que aumentam as chances do surgimento desta síndrome como agitação, exaustão física e neuroleptização rápida.

O quadro clínico que caracteriza este transtorno inclui:

  • Rigidez muscular;
  • Confusão mental;
  • Febre;
  • Sinais extrapiramidais;
  • Alterações da consciência;
  • Pressão arterial flutuante;
  • Incontinência esfincteriana;
  • Dispneia;
  • Elevação de fosfocreatinoquinase (CPK);
  • Leucocitose.

As complicações desta síndrome comumente são resultantes da severidade da rigidez muscular e da imobilização proveniente desta condição. O risco de rabdomiólise e de falência renal aguda é aumentado pela escassa ingestão de líquidos, com consequente desidratação. Também pode haver trombose venosa profunda e embolismo pulmonar como resultado da rigidez, imobilização e desidratação. Confusão mental e problemas de deglutição pode levar ao surgimento de pneumonia aspirativa. A coagulação intravascular disseminada, septicemia e infarto agudo do miocárdio são outras consequências desta síndrome.

O diagnóstico e o tratamento deste distúrbio comumente são difíceis de serem estabelecidos. O tratamento engloba medidas de suporte como hidratação, suporte ventilatório e nutricional, prevenção de eventos tromboembólicos, por meio do uso de heparina em baixas doses.

A morte pode ocorrer como consequência da síndrome; todavia, em quase 80% dos casos o paciente pode se recuperar completamente, enquanto que em 8% dos casos pode haver recuperação incompleta.

Fontes:
http://www.jmpsiquiatria.com.br/edicao_19/artigos_edicao_19/02_sindrome.htm
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-282X1998000500022&script=sci_arttext
http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2005/RN%2013%20SUPLEMENTO/Pages%20from%20RN%2013%20SUPLEMENTO-11.pdf

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Síndromes