Ambientalismo

Mestre em Ecologia e Recursos Naturais (UFSCAR, 2019)
Bacharel em Ciências Biológicas (UNIFESP, 2015)

O Ambientalismo é um movimento ecológico, político e social baseado na busca por mecanismos sustentáveis de desenvolvimento que reduzam os problemas ambientais causados por ações humanas. A economia verde e a sustentabilidade são os pilares centrais defendidos pelos ambientalistas para proteger a biodiversidade existente em nosso planeta e assegurar a sobrevivência de futuras gerações através de fontes de energia renovável e limpa.

Apesar de muitas pessoas acreditarem que os movimentos de proteção ao meio ambiente representam uma reação moderna ao aumento da destruição dos ecossistemas, as primeiras iniciativas de ambientalistas e ecologistas podem ser datadas para antes dos anos 1900. O uso de princípios científicos para desenvolver planos de manejo e conservação de florestas no século 19 demonstrava a paixão e o dever cívico de algumas organizações e cientistas em remediar os impactos advindos da crescente industrialização das cidades bem como da expansão continua das fronteiras agrícolas em biomas até então pristinos.

Foto: Piotr Krzeslak / Shutterstock.com

Desde então, as ações dos grupos de ambientalistas podem ser generalistas ou focadas na proteção de uma espécie ou um habitat especifico. Existem organizações não governamentais (ONGs) civis e grupos políticos que combatem a poluição do ar, dos oceanos ou o continuo uso de combustíveis fosseis. Suas ações são globais e de ampla escala, o que pode dificultar a coordenação de manifestações. Além disso, é necessário grande trabalho de adaptação cultural e jurídica, uma vez que cada país possui uma legislação especifica e uma visão social associadas aos assuntos ecológicos.

Na escala global de ações, podemos citar diversas organizações ambientalistas, tais como o GreenPeace, o World Wildlife Fund e o Environmental Defense Fund. Essas ONGs têm objetivos similares, trabalhando contra a poluição, caça e pesca extensiva e desenvolvendo campanhas de proteção a biomas em ameaça e espécies vulneráveis à extinção.

Em relação aos grupos menores, com ações mais regionais e locais, qualquer associação de moradores que se una e discuta medidas de reciclagem e reflorestamento urbano, por exemplo, está atuando com princípios ambientalistas. É importante citar que medidas de educação ambiental, em escolas e com adultos, também englobam ações de proteção ao meio ambiente, pois criam uma conexão afetiva da comunidade com o meio ambiente, um dos grandes objetivos dos ecologistas.

Governos de diversos países do mundo tem se tornado mais acessíveis ao debate ambiental, desenvolvendo políticas públicas que favorecem a conservação dos ecossistemas. A criação de áreas de proteção e reservas naturais, bem como sua proteção e monitoramento são essenciais na preservação da biodiversidade. Adicionalmente, grandes encontros diplomáticos globais, como a Conferência de Toronto, o Protocolo de Kyoto e o recente Acordo de Paris permitem o estabelecimento de metas e objetivos ambientais em comum, assegurando que a maior parte dos países caminhe rumo ao futuro desejado de um mundo menos poluidor e mais consciente.

O agravamento do aquecimento global tem trazido ainda mais atenção aos movimentos ambientalistas. Como grande parte da população humana tem sofrido direta ou indiretamente efeitos associados às mudanças climáticas, uma conscientização coletiva parece estar surgindo, especialmente entre os grupos mais jovens, que exigem medidas mais rígidas de conservação ambiental por parte das grandes empresas que comercializam produtos e serviços e por parte dos governos. Cada vez mais precisamos divulgar e informar as pessoas sobre a importância de lutar pela preservação da biodiversidade, pois na última década muitos críticos do ambientalismo tem se unido com argumentos negacionistas em relação ao aquecimento global, podendo dificultar ainda mais nossa busca por um mundo mais saudável e seguro, onde a preocupação da sustentabilidade oriente todas as atividades socioeconômicas.

Referências:

https://guides.lib.berkeley.edu/NGOs

Leis, H.R. and D'Amato, J.L., 1998. O ambientalismo como movimento vital: análise de suas dimensões histórica, ética e vivencial. Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável2, pp.77-103.

Pepper, D., 1996. Modern environmentalism: an introduction. Psychology Press.

Arquivado em: Ecologia, Meio Ambiente